Rádio Observador

Óbito

Morreu George Michael, (mais um) ícone da música pop que desaparece em 2016

18.504

Mais uma morte na música em 2016. O cantor, autor de alguns dos maiores êxitos da pop, tinha 53 anos. Morreu em casa, com um problema cardíaco. Estava a fazer um documentário sobre a sua vida.

MIGUEL MEDINA/AFP/GettyImages

Autor
  • João Pedro Pincha

Morreu o cantor George Michael, autor do famoso tema natalício Last Christmas, aos 53 anos. A notícia foi avançada pelo agente em comunicado, que refere que o cantor “morreu pacificamente em casa” e devido a um “problema cardíaco”. A polícia britânica confirmou a morte de George Michael à BBC e referiu que não houve circunstâncias suspeitas no óbito.

De acordo com a televisão pública britânica, os serviços de emergência estiveram na tarde deste domingo na casa de George Michael no Oxfordshire. Mas o comunicado do agente não é específico quanto à altura exata da morte do artista. “É com grande tristeza que confirmamos que o nosso amado filho, irmão e amigo George morreu pacificamente em casa durante o período natalício”, lê-se.

No início dos anos 80, George Michael foi o vocalista dos Wham!, banda responsável por sucessos como Last Christmas e Wake Me Up Before You Go-go. A solo, Michael também alcançou grande êxito com o lançamento de Careless Whisper em 1984 e, em 1987, do primeiro álbum, Faith. Também ficou famosa a versão de Don’t Let The Sun Go Down On Me com Elton John, ao vivo, no início dos anos 90.

Em 2011, George Michael esteve três semanas em coma num hospital austríaco a batalhar contra uma grave pneumonia que o afastou dos palcos durante meses. No fim do internamento, o cantor teve de reaprender a andar e perdeu várias semanas de memórias.

Foi um dos mais recentes percalços na vida agitada de Georgios Kyriacos Panayiotou, cuja carreira artística ficou marcada não só pelos sucessos musicais como pelas disputas judiciais e controvérsias da vida privada.

A seguir ao sucesso comercial de Faith, George Michael assinou em 1990 o álbum Listen Without Prejudice Vol. 1, que esteve na origem de uma longa batalha nos tribunais com a Sony, editora que o representava. Michael queixava-se de que o contrato que assinara com aquela empresa, em 1988, equivalia a “escravidão profissional”, uma vez que tinha vigência por 15 anos e retirava-lhe o controlo artístico e comercial sobre o seu trabalho. Depois de se dar a conhecer como ícone pop e sex symbol, o cantor quis, com aquele álbum, reiventar-se como um artista mais sério. Mas a Sony, acusou na altura, não gostou da ideia e não promoveu o disco como George Michael queria. A disputa legal de ano e meio acabou com a derrota de George Michael, que só em 1996 voltaria a editar um álbum.

Por essa altura, o artista já sofria de depressões ocasionais e debatia-se com problemas na vida pessoal. A morte súbita de um amante, Anselmo Feleppa, em 1993, levou-o a assinar um disco ainda mais pesado e melancólico do que o anterior. Foi aquando do lançamento de Older, em 1996, que Michael conheceu Kenny Goss, que o terá dissuadido de se suicidar, e que foi a relação amorosa mais duradoura da vida de Michael. O cantor assumiu que era homossexual em 1998, depois de ser detido numa casa de banho pública a cometer um “ato lascivo”.

O último álbum de originais de George Michael, Patience, é de 2004. Foi um enorme sucesso comercial e de crítica, o que o levou de novo aos palcos de todo o mundo. O cantor foi o primeiro músico a atuar no renovado Estádio de Wembley, em março de 2007. Em maio do mesmo ano, George Michael deu o primeiro e único concerto em Portugal, no Estádio Cidade de Coimbra. Nesse espetáculo, Michael pediu desculpa aos fãs nacionais por nunca ter vindo antes ao país. “Foi muito tempo. Mas no final desta noite, quando saírem daqui, espero que me tenham perdoado”, disse, segundo a agência Lusa.

Antes disso, George Michael já voltara a ter problemas com as autoridades que o catapultaram para as primeiras páginas dos tablóides. Em 2006 foi detido por posse de droga e, mais tarde nesse ano, foi fotografado a ter relações sexuais num conhecido parque londrino. Em 2008 voltou a ser detido pelos mesmos motivos e, em 2010, foi mesmo condenado a oito semanas de prisão por conduzir sob a influência de drogas.

George Michael estava a preparar um documentário sobre a sua vida e carreira, cuja estreia está prevista para março de 2017. Para a mesma altura está marcado o relançamento de Listen Without Prejudice Vol. 1, de novo com a chancela da Sony, com quem Michael voltou a assinar contrato.

O cantor nasceu a 25 de junho de 1963 em Londres. Era filho de empresário de restauração cipriota e de uma dançarina inglesa. As primeiras experiências musicais deram-se ainda na adolescência, nos anos 70, mas foi a amizade com Andrew Ridgeley que o catapultou para o estrelato. Os dois criaram os Wham! e deixaram uma marca indelével na cultura musical do fim do século XX. George Michael tinha 53 anos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)