Lojas

De Buenos Aires para Fátima, com lenços e muito amor

104

Daiana é de Buenos Aires. O seu pai era devoto de Nossa Senhora de Fátima. Quando visitou o Santuário com o namorado, quis ficar e abriu a Mora Boutique, onde vende as suas criações.

A loja fica no Fátima Shopping Center

DR

A história de uma das lojas mais originais de Fátima começa com Walter Morales. Com 18 anos, combatia pela sua Argentina natal na Guerra das Malvinas, quando o navio ARA General Belgrano foi afundado pela Marinha britânica, a 2 de maio de 1982. Walter foi dos poucos sobreviventes. No regresso à pátria, os seus compatriotas estavam distraídos com a vitória no Mundial de 1982, a vingança servida pela “mão de Deus” na final frente a Inglaterra. O argentino refugiou-se na pintura, a melhor forma em que se expressava.

Walter casou e teve duas filhas, que herdaram do pai o talento para as artes plásticas. A primeira dedicou-se à escultura e a segunda, Daiana, estudou arquitetura de interiores. Para pagar os estudos, Daiana trabalhou em lojas de roupa, onde descobriu o gosto pela moda e pelo contacto com o público.

Já depois da morte do pai, numa viagem ao Peru, Daiana conheceu Rodrigo, um lisboeta que tinha um hostel na praia de Máncora. Apaixonaram-se e Daiana já não voltou a Buenos Aires. O casal luso-argentino era a alma do hostel, cujas cabanas tinham sido pintadas por si, e recebia os hóspedes como se fossem família. A argentina começou também a vender online algumas peças de moda que comprava no Peru.

Rodrigo, por sua vez, tinha assentado arraiais no Peru durante uma viagem pela América do Sul. Há sete anos que vivia na praia, sem vir a Portugal. “Já nem sabia o que era calçar uns sapatos”, conta. Para matar saudades, compraram bilhetes para vir passar o Natal de 2016 a Portugal, com planos de seguirem depois para Cuba, onde pensavam abrir um hotel.

Quando chegaram a Lisboa, Daiana começou a desenhar por brincadeira, para descrever a cidade à sua maneira. Da digitalização dos desenhos surgiram os primeiros lenços Mora, que tiveram logo a aprovação dos amigos. A visita natalícia foi-se alargando por mais uns meses.

Um dos lenços desenhados em Lisboa.

É aqui que voltamos a Walter Morales e à “mão de Deus”, segundo a leitura de Daiana. Walter era muito devoto de Nossa Senhora de Fátima e levava as filhas com frequência a uma igreja que lhe é dedicada, nos arredores de Buenos Aires. Daiana na altura era pequena e não ligava muito, nem sequer sabia a história de Fátima. Mas após a morte do pai, tinha bem claro que, na primeira viagem a Portugal com o namorado, teria de ir conhecer Fátima, o local que o pai mais desejava visitar.

Quando visitou o Santuário com Rodrigo, as emoções foram, por isso, muito fortes. Disse logo ao namorado que era ali que iam ficar. Rodrigo perdeu o sono durante uns dias, não se imaginava a viver em Fátima. Mas a vontade de Daiana falou mais alto. Arranjaram casa e procuraram uma loja para expor a primeira coleção de artigos desenhados por Daiana. Assim nasceu a Mora Boutique, em vésperas do Centenário e da visita do Papa seu conterrâneo.

O nome da loja vem de Morales, o apelido paterno de Daiana. “E experimenta repetir Mora muitas vezes, o que ouves?”, pergunta. Numa terra de emoções e afetos, a alegria com que Daiana e Rodrigo recebem os clientes é meio caminho andado para o seu negócio vir a ter sucesso. Uma alegria que também transborda dos desenhos de lenços, panos, pulseiras, colares e vários outras criações, que se destacam da monotonia dos artigos religiosos tradicionais que se veem em todas as esquinas de Fátima.

Nome: Mora Boutique Shop
Morada: Rua de São José, 5 (Fátima Shopping Center, Loja 201)
Horário: 9h30-20h30
Contactos: onlinemora@gmail.com / 968 436 312
Facebook: www.facebook.com/moraboutiqueshop
Instagram: @moraboutiqueshop

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)