Decoração

E a sua casa, ajuda-o a ser saudável?

Guardar os aparelhos eletrónicos, arrumar a sala ou ter a cozinha preparada para não acabar a encomendar pizza. A sua casa pode ser uma importante aliada na tarefa de se tornar mais saudável.

A sua casa é a sua zona de conforto. Mas será que está a ser?

Getty Images/iStockphoto

Autor
  • Raquel Salgueira Póvoas

Uma divisão pouco organizada, telemóveis sempre à vista e a enviarem mensagens que gritam “usa-me” a todo o instante, barulho vindo da rua e ruído visual vindo de todas as coisas que tem em cima do móvel da televisão. Há pequenos pormenores que podem ajudá-lo a ser mais saudável, a partir de casa. Dos truques para melhorar a alimentação às dicas de arrumação, há muito a fazer. Começamos agora?

Defina um sítio próprio para guardar os aparelhos eletrónicos

Quando usados em demasia — sobretudo quando se vai deitar e os usa na cama –, podem ter consequências negativas e perturbar o sono. Os aparelhos eletrónicos devem ser submetidos a uma certa disciplina que pode começar com a definição de morada própria. Numa caixa, na gaveta da mesa da entrada, no escritório, decida qual o sítio certo para os deixar quando chega a casa. Longe da vista, pegue neles apenas quando for mesmo necessário.

© Imagem retirada do Pinterest

Tenha água e chá na mesa de cabeceira

A mesa de cabeceira, já por si, é útil. Mas se pensar que para além do despertador e do livro que está a ler pode ter a água que ainda não bebeu lá pousada, ou o chá que o vai ajudar a ter uma noite mais tranquila, melhor ainda. Ter um copo de água ou uma garrafa (que até pode ter estilo, como esta) por perto vai ajudá-lo não só a ganhar o hábito de se hidratar e relaxar antes de dormir mas também pode contribuir para um despertar mais fácil (e menos visitas ao botão do Snooze).

© Imagem retirada do Pinterest

Organize a divisão que está sempre desarrumada

O caos não deve morar consigo. Se a sua casa é a sua zona de conforto, o ambiente deve refletir isso mesmo. Ter uma divisão, nem que seja só uma, desarrumada, serve não só para acumular pó como para dar cabo do sistema nervoso. Defina um dia na agenda e seja rigoroso. Desfaça-se do que não interessa. Arranje caixas, prateleiras e organize o que lhe faz falta, tudo o resto deite fora ou doe a associações que precisem. Mãos à obra, pela sua saúde.

© Imagem retirada do Pinterest

Tenha receitas simples e saudáveis à mão

Se a pergunta “o que faço hoje para jantar?” é recorrente, saiba que pode ter a resposta sempre à mão. Num caderno de receitas, reúna uma série delas e todas saudáveis. Tenha-as sempre à vista, na cozinha. De todas as vezes que a pergunta surgir, a resposta vai estar ali e será a mais indicada.

Caderno de receitas Edicare à venda nas lojas Fnac por 12,95€.

Menos é mais. Não abuse dos objetos

Como escreve a implacável Marie Kondo, em casa deve morar apenas o essencial. Dessa forma os espaços ganham tranquilidade, e quem lá vive também. Crie um refúgio longe do caos e da confusão, com objetos de que precisa ou que são emocionalmente importantes, e não mais do que isso. No que diz respeito às cores, o branco, o preto, o cinzento e alguns tons neutros como castanho, azul e verde ajudam-no a compor o cenário sereno e calmo pretendido.

Purifique o ar

Se tem ar condicionado em casa nunca descure a limpeza e manutenção do filtro. Alergias, rinite, infeções respiratórias e irritações nos olhos são apenas algumas das consequências negativas para a sua saúde provenientes da falta de atenção para com este aparelho. Mesmo não tendo ar condicionado, é importante tratar da qualidade do ar do seu espaço e arejar a casa. Se puder, faça-o duas vezes por dia, durante dez minutos. Mas há mais estratégias que o ajudam a purificar o ar. As plantas, por exemplo, são ideias para o filtrar. Velas, incensos e óleos essenciais contribuem para o mesmo efeito e podem ser adquiridos em qualquer superfície comercial.

Tenha atenção à composição dos têxteis

Conforto é a palavra-chave quando se procuram, por exemplo, lençóis para a cama. Ainda que possa não ser um hábito, tome atenção à composição dos que compra para que, por exemplo, não tenha problemas com a temperatura e a textura. Se possível, opte por roupa de cama composta por 100% algodão. Os fios são também importantes: os mais suaves e confortáveis são os que têm maior densidade de fios, 400 ou mais.

© Getty Images/iStockphoto

Não deixe que o perturbem. Barulho, só do lado de fora da janela

Procure ter sons agradáveis dentro de portas. Deixar janelas abertas do lado em que há mais barulho é meio caminho andado para se irritar mais facilmente ou para, simplesmente, não descansar e desligar do ritmo agitado do dia-a-dia. Abra as janelas em alturas tranquilas e opte pelas que não estão voltadas para a confusão. Tenha também playlists com músicas relaxantes por perto, podem servir de SOS naqueles momentos em que o ruído passa a barreira do vidro (sobretudo para quem vive na cidade ou ainda não pode investir em vidros duplos).

Organize locais específicos para as plantas

Das melhorias para a respiração à redução dos níveis de ansiedade (pela sua contemplação), até à filtragem dos ruídos que vêm da rua, as vantagens de ter plantas em casa são variadas. Defina locais específicos onde quer tê-las, de preferência em zonas de passagem recorrente, para ter mais atenção aos cuidados que elas exigem.

© Imagem retirada do Pinterest

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)