Rádio Observador

Sono

Quer dormir bem? Pense duas vezes antes de ligar o smartphone ou tablet

1.333

A luz azul presente nos ecrãs LED suprime a produção de melatonina, a hormona do sono, dizem os especialistas. A solução pode passar por colocá-los a uma distância de 30 centímetros do rosto.

A luz azul interrompe os ritmos circadianos naturais do corpo

AFP/Getty Images

Precisa de uma boa noite de sono? Então pense duas vezes antes de ligar o smartphone ou tablet para ver séries ou atualizar o Facebook antes de ir dormir. A culpa é da luz azul presente nos ecrãs, explicou Richard Hansler, físico norte-americano especialista nas questões do sono em entrevista ao site Gigaom.

O problema está na melatonina ou falta dela. Segundo o investigador da Universidade John Carroll, em Ohio, nos Estados Unidos da América (EUA), este tipo de luz interrompe os ritmos circadianos naturais do corpo – períodos de 24 horas que ajustam o relógio biológico, controlando o sono e o apetite -, porque a produção de melatonina é suprimida. Nota: a melatonina é a a hormona que nos põe a dormir.

Produzida, sobretudo, durante a noite, a melatonina é responsável por induzir o sono, mas também é conhecida pelas suas características rejuvenescedoras e antioxidantes. Além de influenciar o sistema imunitário, reage ao stress e é utilizada na prevenção de determinados tipos de cancro. Quando exposta à luz azul, a produção de melatonina é reduzida, o que pode ajudar no desenvolvimento de doenças como as cardíacas, diabetes, obesidade e alguns tipos de cancro.

Richard Hansler passou os últimos 20 anos a estudar o assunto. “Descobri que utilizar luz à noite é prejudicial à saúde e que interfere com o sono das pessoas. Achei que tinha o dever moral de fazer algo em relação a isso, sobretudo quando percebi que era a componente azul, presente nas luzes brancas mais comuns, que era responsável por suprimir a produção de melatonina”, explicou.

Níveis de stress na retina aumentam entre jovens

A discussão é antiga, mas só em 2001 é que foi confirmada, depois de os cientistas terem descoberto que a luz de espetro azul – aquela que se situa entre o valor 415 e o 445 da escala nanométrica e que está presente em quase todos os equipamentos com ecrãs LED, como smartphones, tablets ou computadores portáteis – é responsável por romper com a produção de melatonina.

“O que não precisa de investigação é isto: a luz entre 415 e 445 nm é super quente e, quanto está muito perto – digamos que a seis polegadas [cerca de 15 centímetros] da cara de uma criança – e a ser muito focada, [o impacto] tem de ser significativo”, explicou o optometrista californiano William Harrison à mesma publicação. E há outra coisa que está a preocupar os optometristas: o nível de stress que estão a encontrar nas retinas dos mais jovens.

Preocupado porque já não dorme sem ficar a par das últimas notícias ou atualizações de estados do Facebook? Não fique. Alguns investigadores norte-americanos concluíram que se os utilizadores tiverem estes aparelhos eletrónicos a uma distância segura do rosto, a cerca de 30 centímetros, a luz não vai interferir com a qualidade do sono.

Os problemas causados pela luz azul não se ficam por aqui. Além do cancro e da diabetes, a luz tem impacto no sentido de humor e os baixos níveis de produção de melatonina estão ligados à depressão. Esta noite, para um sono seguro, mantenha o smartphone ou o tablet a uma distância segura. E durma descansado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)