Decoração

Da hobbit house à caravana de cowboy, estas Minicasas são habitáveis

133

Não têm mais de 20 metros quadrados e recriam hobbit houses, yurts, caravanas e até carroças de cowboys. O projeto Minicasas Portugal faz habitações em miniatura, mas onde se consegue viver.

Autor
  • Raquel Salgueira Póvoas

Há quem sonhe ter uma casa na árvore desde os tempos de criança, quem tenha visto filmes de cowboys e se tenha imaginado a viver numa carroça antiga ou ainda quem seja fã da saga Senhor dos Anéis e se pergunte até hoje como seria estar debaixo do teto de uma hobbit house, redonda e minúscula. Da imaginação para a realidade, um projeto nacional permite criar pequenas habitações amovíveis de acordo com os gostos dos clientes. E sim, algumas são dignas de Hollywood.

De hobbit houses a carroças de cowboys, o Minicasas Portugal já criou também yurts (tendas resistentes, de tecido), casas de floresta, caravanas ciganas e até casas a partir do reaproveitamento de camiões. O modelo pode variar mas o tamanho nunca ultrapassa os 20 metros quadrados. E embora a área seja reduzida, há espaço para todas as condições, desde a cozinha à casa de banho.

Em cima uma hobbit house do filme Senhor dos Anéis, em baixo, uma hobbit house feita por João Neves. © Divulgação

João Neves, de 52 anos, é o responsável pelo projeto. Foi, desde sempre, apaixonado por pequenas construções, sobretudo de habitações. Depois de pensar no que lhe dava prazer fazer na vida, decidiu deixar a profissão enquanto funcionário de um banco e começou, de forma autodidata, a aprender mais sobre cerâmica, escultura e construções através de materiais naturais, como a madeira. Passou a dar workshops sobre a sua utilização e, em 2011, começou finalmente a fazer o que sempre sonhou: imaginar e construir pequenas habitações amovíveis, a partir do atelier localizado nas Caldas da Rainha.

João Neves com uma das casas entre mãos. © Divulgação

O primeiro cliente de uma “minicasa” tinha 72 anos, agora são sobretudo os jovens a mostrarem-se interessados. “Há quem me procure porque quer ter um complemento à habitação principal, outros para fins turísticos, e há também quem se interesse por ter uma forte ligação à natureza e as casas condizerem com o ambiente natural”, diz João Neves ao Observador. “No início achei que ia ter 90 por cento de procura estrangeira, mas hoje em dia é mais 50/50: metade estrangeiros, metade portugueses.”

Desde 2011 João Neves já construiu 36 pequenas habitações, uma média de seis projetos por ano. Todas as casas são feitas à mão, apenas com a ajuda de pequenos utensílios de construção, em materiais que incluem madeiras nórdicas, lã de ovelha dos Pirenéus franceses, cortiça portuguesa e tecidos impermeáveis com diferentes origens. A equipa é composta por João no desenho do projeto e nas construções, um funcionário pontual que o ajuda em trabalhos de maior exigência e a mulher, que trata da comunicação.

Podia ser no Faroeste, mas esta casa de estilo western fica em Portugal. © Divulgação

O processo para ter uma Minicasa é simples: depois de um primeiro e-mail, segue-se uma conversa com João Neves, para explicar quais são os objetivos do cliente. “Não há um conceito estandardizado, falamos e depois moldo-me às ideias que têm, para que a casa seja personalizada ao gosto do cliente”, explica o responsável. “A atmosfera em que estas casas surgem, desde o início, é muito informal e próxima. Simples de acontecer.”

Acertados os detalhes, o tempo de finalização de cada projeto não ultrapassa os três meses. Os preços variam sempre de acordo com as caraterísticas de cada construção mas até agora o valor final situou-se entre os três mil e os 15 mil euros.

Nome: Minicasas Portugal
Site: http://minicasasportugal.com/
Contacto: info@minicasasportugal.com

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)