Rádio Observador

PS

PS aprova primárias a partir de 2018, com compromisso de Costa, afirma Daniel Adrião

O socialista Daniel Adrião anunciou que a sua proposta de revisão estatutária que impõe primárias foi aprovada com o compromisso de António Costa, de que serão instituídas a partir de 2018.

RUI FARINHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O socialista Daniel Adrião anunciou neste sábado que a sua proposta de revisão estatutária que impõe primárias foi aprovada pela Comissão Nacional do PS, com o compromisso do secretário-geral, António Costa, de que serão instituídas a partir de 2018.

A instituição definitiva de primárias abertas a simpatizantes para a escolha do secretário-geral e dos candidatos a deputados, eurodeputados e autarcas dependerá da aprovação pelo Congresso de 2018, e a eleição do líder do PS, que o antecede, deverá ainda ser, portanto, nesse ano, segundo as regras atuais.

“Haverá primárias no PS”, declarou Daniel Adrião aos jornalistas, no final da reunião da Comissão Nacional do PS, que decorreu num hotel de Lisboa, referindo que a sua proposta foi aprovada “com uma larguíssima maioria, por proposta do próprio secretário-geral”, e dois votos contra.

“Temos o compromisso do secretário-geral de que isso será feito no Congresso de 2018 e, a partir daí, quer os candidatos a deputados, quer os candidatos a presidentes de câmara, quer o candidato a secretário-geral serão escolhidos através do método de primárias abertas”, acrescentou. Em 2018, “a eleição do secretário-geral ainda não será por primárias abertas, mas a partir de 2018, para a frente, o compromisso que existe do secretário-geral é que passará a ser feito por primárias abertas”, realçou.

Daniel Adrião congratulou-se com esta vitória do seu movimento “Resgatar a democracia”, representado na Comissão Nacional do PS por 18 dos seus 251 membros, “que se vem batendo por esta ideia de abertura do partido”. Numa crítica indireta ao secretário nacional do PS para a Organização, Hugo Pires, afirmou: “Nós saímos daqui muito satisfeitos, porque, ao contrário do que tinha sido dito, que a proposta ia ser chumbada, a proposta foi aprovada”.

Hugo Pires tinha anunciado que a direção nacional do PS iria propor hoje a rejeição da proposta de revisão estatutária de Daniel Adrião, e deu mesmo como certo o seu chumbo: “Vai ser chumbada. Depois, irá ser integrada e analisada no grupo de trabalho”. O grupo de trabalho em causa, liderado pelo secretário nacional do PS para a Organização, e do qual Daniel Adrião também faz parte, está a preparar uma revisão estatutária global até 2018.

António Costa não quis prestar declarações aos jornalistas no final da reunião de hoje da Comissão Nacional do PS. Segundo Daniel Adrião, no ponto dedicado à sua proposta de revisão estatutária, houve “um apelo do próprio secretário-geral do PS, António Costa, para que a proposta não fosse votada de forma vinculativa neste momento”, ou seja, com efeitos imediatos, mas que fosse incluída “como uma recomendação vinculativa” na proposta de estatutos que está em preparação no referido grupo de trabalho. “Portanto, nós vamos ter primárias no PS”, reafirmou.

Segundo fonte oficial do PS, na reunião de hoje da Comissão Nacional as contas apresentadas pelo secretário nacional para a Administração, Luís Patrão, foram aprovadas por unanimidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)