Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“O Muro”

Dois soldados americanos, um “sniper” iraquiano, um muro, um cenário desértico. Doug Liman tirou folga das grandes produções que tem assinado nos últimos anos (“Jumper”, “No Limite do Amanhã”), e munido de um orçamento que cabe na cova de um dente, assinou, para os estúdios Amazon, este pequeno filme de guerra, que vai ficar como um dos mais minimalistas, anti-espectaculares e palavrosos da história do género. Os soldados (Aaron Taylor-Johnson e o “wrestler” John Cena), um deles seriamente ferido, ficam retidos pelo “sniper” invisível e com pontaria letal (Laith Nakli) que lhes intercepta as comunicações, fala surpreendentemente bem inglês e tem conhecimentos de cultura dos EUA. Entre eles, há apenas um precário muro de tijolos a servir de barreira a um e de protecção aos outros. “O Muro” começa por ser um curioso exercício de tensão dramática, crispação emocional e concentração cinematográfica,onde há mais troca de palavras do que de balázios, e o confronto é mais psicológico do que físico, mas a fita acaba por mostrar as costuras, tornando-se muito teatral e francamente entediante. E a verdade é que aquele muro está mesmo (demasiadamente) ali a calhar. Chama-se a isso forçar a verosimilhança.

“Políticos não se Confessam”

Este filme do italiano Roberto Andò (“Viva a Liberdade”) é um híbrido que ambiciona ser várias coisas ao mesmo tempo: “thriller” político-económico, parábola “espiritual”, panfleto de “denúncia” do capitalismo desenfreado e sem coração e filme de “mensagem” moralizante. Tudo se passa ao longo de um fim-de-semana, num hotel de luxo da costa alemã, rigorosamente vigiado, onde Daniel Roché (Daniel Auteuil), o presidente do Fundo Monetário Internacional (FMI), tutela uma reunião de ministros das Finanças dos G8. Há também três representantes da sociedade civil: uma autora de “best-sellers” infantis, um músico e cantor célebre e cabotino, e Roberto Salus (Toni Servillo), um discreto e misterioso monge, convidado especial de Roché. Na dita reunião será tomada uma decisão de enorme importância e com um impacto muito severo na economia mundial, sobre a qual nem todos os ministros participantes estão de acordo. E o ambiente fica ainda mais incómodo e tenso quando, depois de se ter confessado ao monge, e revelar-lhe que tem um cancro, o presidente do FMI se suicida, asfixiando-se com um saco de plástico. “Políticos não se Confessam” foi escolhido pelo Observador como filme da semana, e pode ler a crítica aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR