Rádio Observador

Dicas Auto

Nunca (mas mesmo nunca) viaje com os pés no tablier. Veja porquê

11.301

Tem por hábito viajar com as pernas esticadas e os pés em cima do tablier, quando segue no lugar do pendura? Nunca o faça! Veja o exemplo de Audra Tantum, que descobriu as consequências da pior forma.

Quando accionados, os airbags disparam a velocidades que vão dos 161 aos 354 km/h, porque a ideia é segurar o corpo mesmo numa colisão brutal. Pelo que é essencial estarmos sentados correctamente

Autor
  • Francisco António

Não serão assim tão raros os casos de passageiros que, viajando no banco dianteiro, gostam de descansar as pernas, apoiando os pés sobre o tablier. Sem se aperceberem dos riscos que correm, a verdade é que, em caso de embate forte ou acidente, as pessoas nessa posição podem ficar com sequelas para a vida. Que o diga Audra Tatum que, na sequência de uma situação do género, não consegue estar, hoje em dia, mais do que quatro horas de pé!

O acidente ocorrido com Tatum, e que serve de aviso para os perigos desta atitude, aconteceu em Agosto de 2015. Numa normal deslocação de carro, em que o marido assumia ao volante, Audra, no lugar do “pendura”, seguia viagem com os pés sobre o tablier. De repente, do nada, um outro automóvel veio embater no deles, dando origem àquilo que se supunha ser um acidente de não muita monta, com apenas “chapa batida”.

Sucede que o embate acabou por ser forte o suficiente para deixar em Audra Tatum marcas para a vida: fruto do impacto, o airbag disparou, projectando os joelhos da mulher contra a face, partindo-lhe o nariz, ao mesmo tempo que lhe fracturava o tornozelo e fémur da perna direita, além do braço do mesmo lado.

Embora a colisão tenha sido principalmente do lado do marido e de este nada ter sofrido, Audra não teve a mesma sorte. Fruto das lesões sofridas, teve de sujeitar-se a diversas cirurgias, seguida de terapia prolongada, só voltando a andar mais de um mês após o acidente.

E passados dois anos sobre o sucedido, a mulher ainda sofre os efeitos do embate, tendo inclusivamente sido obrigada a abandonar a sua carreira nos serviços de emergência médica. Isto porque já não tem força para conseguir levantar pacientes, ou até mesmo para estar mais do que quatro horas de pé. Sempre que tal acontece, diz começar a sentir dores horríveis.

Em declarações à CBS, Tatum reconheceu que o marido já a havia avisado, por diversas vezes, para não viajar daquela forma. No entanto, Audra nunca acreditou que tal fosse possível, pelo que manteve a prática. Até o acidente surgir, num curto trajecto de carro.

Às pessoas que têm por hábito viajar com os pés sobre o tablier, importa recordar que, por exemplo, os airbags, quando accionados, disparam a velocidades que vão dos 161 aos 354 km/h. Sendo que a força que geram foi pensada para segurar um corpo humano numa colisão, por mais forte que seja; embora também possa servir como uma perigosa catapulta…

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)