Líder do mercado europeu na venda de veículos eléctricos, o Grupo Renault decidiu criar uma nova filial, denominada Renault Energy Services, cuja acção deverá centrar-se, precisamente, no sector da energia e das redes inteligentes (smart grids). Dois elementos-chave da mobilidade eléctrica, recorda o fabricante.

Apresentada com o espírito de uma startup, a Renault Energy Services terá por missão investir em projectos relacionados com as redes elétricas inteligentes. E, principalmente, no desenvolvimento de projectos de recarga inteligente (smart charging), nas interacções veículo-rede eléctrica (vehicle-to-grid) e nos projectos para a segunda vida das baterias.

Descritas como redes de distribuição de electricidade em que a circulação da informação permite ajustar, em tempo real, o fluxo eléctrico, permitindo assim uma gestão mais eficaz, as smart grids são vistas como o primeiro passo no desenvolvimento destes três aspectos.

Já sobre estas três vertentes propriamente ditas, o carregamento inteligente gere o abastecimento do veículo em função das necessidades do utilizador e da oferta de electricidade disponível na rede, ao passo que, através dos sistemas vehicle-to-grid, os veículos tornam-se capazes de injectar eletricidade na rede, nas horas de pico de consumo, funcionando também como unidades de armazenamento temporário de energia.

Finalmente, e quanto à ideia de uma segunda vida para as baterias, deriva do facto de estas conservarem uma importante capacidade de armazenagem de energia, mesmo depois da vida do automóvel já ter chegado ao fim. Sendo que o objectivo é promover o seu reaproveitamento, seja em residências individuais ou blocos de habitação, em edifícios de escritórios ou noutra utilização profissional, ou ainda para ponto de carregamento de veículos eléctricos.