Rádio Observador

Beleza e Bem Estar

Tatuar as sobrancelhas: como e porquê?

Permite corrigir falhas, definir, reforçar, corrigir assimetrias e harmonizar o olhar. Saiba mais sobre o microblading, a técnica de tatuar que permite obter pelos finos, precisos e (quase) naturais.

Consiste em aplicar pigmento na primeira camada de pele e que se vai misturar com os fios reais.

ADRIAN DENNIS/AFP/Getty Images

Autor
  • Helena Magalhães

No meio de tantas modas — algumas até estranhas como tatuar sardas –, há inovações e (se é que se pode chamar assim) tendências que podem mesmo mudar a vida de uma pessoa para melhor. Porque até podem parecer irrelevantes — afinal, são apenas pelos — mas as sobrancelhas são dos detalhes principais no nosso rosto porque vão moldar as nossas expressões. São vários os exemplos que correm pelas redes sociais de sobrancelhas desastrosas que se tornaram virais pela negativa.

E quando falamos de tatuar sobrancelhas, talvez sejam estas as imagens que nos venham à cabeça mas há muito mais que se lhe diga do que estas brincadeiras da Internet. Há mil e uma razões para se tatuar sobrancelhas: por se ter feito tanta depilação no passado que os pelos deixaram de crescer, por se ter simplesmente pouca definição, por situações de alopécia de sobrancelhas, por se ter pelos tão finos que são quase impercetíveis ou até após situações de doença em que se perdeu os pelos.

Esta técnica de tatuagem facial não é tão assustadora quanto estes “memes” das redes sociais e tem um nome: microblading. E, explicando de forma muito simples, permite corrigir falhas nas sobrancelhas.

O que é?

A clínica MyLook, especialista em pintura de sobrancelhas no Porto, explica que o Microblading permite obter fios extremamente finos, precisos e naturais que se adaptam totalmente à sobrancelha real. É utilizado para corrigir falhas nas sobrancelhas, definir, reforçar, corrigir assimetrias e harmonizar o olhar.

Como se faz?

É realizada através de uma ferramenta chamada Tebori que tem uma lâmina muito fina com micro agulhas de tamanhos diferentes dispostas em fila. Estas agulhas aplicam pigmento na primeira camada de pele que se misturam com os fios reais e criam um efeito de preenchimento fio a fio. Estes pigmentos são escolhidos conforme cada pessoa, de forma a aproximar-se o mais possível das sobrancelhas já existentes.

Como são os resultados?

Ao contrário da tatuagem (e por serem aplicados na primeira camada de pele), estes pigmentos não são permanentes. Podem durar entre um a três anos e vai sempre depender de diversos fatores como o tipo de pele, a idade, os cuidados e o acompanhamento que se tem após o tratamento.

Cuidados antes e depois

Piret Aava, conhecida como a “médica das sobrancelhas”, disse à revista Elle americana que há alguns cuidados a ter. Uma semana antes, deve evitar bebidas alcoólicas, tomar aspirinas ou usar cremes com retinol porque vão fazer com que a pele fique mais fina e tenha tendência a sangrar mais durante o microblading. Após o tratamento, é preciso proteger as novas sobrancelhas de tudo o que cria humidade (exercício físico, suor ou água) durante 24 horas. É possível que a zona fique inflamada, com comichão ou vermelhidão durante a primeira semana, mas vaselina vai aliviar.

Quem pode fazer?

Praticamente todas as mulheres e homens, havendo contraindicações para quem tem diabetes, hemofilia, cancro de pele, alergias tópicas ou grávidas. Informe-se antes com o seu médico. Sara, que fez microblading há seis meses, falou ao Observador sobre a sua experiência: “Sempre tive as sobrancelhas pouco definidas mas, após dois tratamentos de quimioterapia, acabei por ficar com as pestanas e as sobrancelhas ralas o que me fazia sentir que não tinha muita expressão no rosto. Enquanto o cabelo ficou forte e volumoso quando voltou a crescer, as sobrancelhas enfraqueceram e ficaram com falhas. Depois de dois anos nesta indecisão, apostei no microblading. Ainda assim, e porque estava com medo que ficasse muito artificial, pedi um resultado mais suave pelo que vou retocar no início do próximo ano.”

Questionada sobre a dor ou a sensação durante o tratamento, Sara diz que é uma dor completamente suportável. “É um corte com uma lâmina muito fina mas sente-se. Talvez haja pessoas mais sensíveis do que outras, mas comigo foi uma dor muito leve. A pele ficou sensível ao toque durante uma semana mas recuperou rapidamente e sem qualquer complicação.”

Onde fazer?

Há vários sítios onde pode fazer. Sugerimos alguns:

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)