O sindicato de produtores de Hollywood (PGA, na sigla em inglês) oficializou, na segunda-feira, a expulsão de Harvey Weinstein, na sequência das denúncias de assédio e abuso sexual.

“Dado o comportamento amplamente descrito do senhor Weinstein, com novos artigos ainda a emergirem, o conselho de administração do sindicato de produtores votou por unanimidade pela proclamação da exclusão vitalícia”, escreveu o PGA em comunicado.

Mais de 80 mulheres, incluindo estrelas de Hollywood como Gwyneth Paltrow ou Angelina Jolie, acusaram publicamente o influente produtor de assédio ou violação sexual, na sequência da publicação, há um mês, de investigações pelo jornal New York Times e pela revista New Yorker.

Harvey Weinstein, que nega ter tido mantido relações sexuais não consentidas, foi já expulso da Academia de Cinema e Ciências Cinematográficas dos Estados Unidos, que atribui os Óscares.

O produtor norte-americano, galardoado com um Óscar pela produção de “A Paixão de Shakespeare” (1998), é atualmente alvo de uma investigação policial em Nova Iorque, Los Angeles e em Londres.