Espetáculos de grupos corais, apresentações de álbuns e livros, conversas, exposições e cinema marcam as comemorações no Alentejo do 3.º aniversário da classificação do cante alentejano como Património da Humanidade.

O cante alentejano, canto coletivo sem recurso a instrumentos, foi classificado há três anos, a 27 de novembro de 2014, como Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, graças a uma candidatura apresentada pela Câmara de Serpa e pela Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo.

Para comemorar o 3.º aniversário, o município promove o 3.º Cante Fest, que tem como tema central “O Cante do Trabalho” e inclui várias iniciativas em Serpa, no distrito de Beja, desde este sábado e até segunda-feira.

O destaque do Cante Fest vai para atuações de 60 grupos corais alentejanos, num total de mais de mil cantadores, este sábado, das 14:30 às 22:00, e no domingo, das 14:30 às 21:00, no Pavilhão de Feiras e Exposições de Serpa.

Apresentações do “Ensaio sobre o Cante Alentejano e a Experiência de Flow”, de João Figueiredo, e do projeto do Museu do Cante, que irá nascer em Serpa, uma simulação do programa de rádio “Modas Raras” e a atuação do grupo Aqui Há Baile são as outras iniciativas previstas para este sábado no pavilhão.

No domingo, o Cante Fest vai incluir as apresentações do livro “Alentejo: Vozes e Estéticas em 1939/40”, de Maria do Rosário Pestana, de álbuns dos grupos corais Os Arraianos e Madrigal e de uma medalha alusiva ao cante, uma conversa sobre o etnomusicólogo Michel Giacometti e a atuação do grupo Trigo Roxo.

Durante o Cante Fest, os visitantes vão poder ver, também no Pavilhão de Feiras e Exposições de Serpa, as exposições “O Cante e o Trabalho”, com objetos de grupos corais alusivos ao trabalho, e “Michel Giacometti e o Cante”, uma mostra documental sobre o cante alentejano evocando a obra do etnomusicólogo.

O Cante Fest termina na segunda-feira com a cerimónia comemorativa dos três anos da classificação, que vai decorrer a partir das 21:00, no Cineteatro Municipal de Serpa, e incluir entrega de medalhas aos grupos corais do concelho e exibição do documentário “Os Cantadores de Paris”, do realizador Tiago Pereira.

O documentário, que retrata ensaios de um grupo de cante alentejano em Paris e a sua viagem até Serpa, onde cantou com grupos corais locais, também é exibido hoje, a partir das 15:00, no Cineteatro Municipal de Castro Verde, e no domingo, a partir das 18:00, no Teatro Municipal Pax Julia, em Beja, no âmbito das comemorações dos três anos da classificação do cante promovidas pelos respetivos municípios.

As comemorações em Beja também vão integrar uma conversa sobre “O cante e os caminhos da patrimonialização” e atuações do Grupo Coral Os Mineiros de Aljustrel e do Grupo Coral de Beringel, hoje, a partir das 21:30, no Centro UNESCO, e uma conversa com Tiago Pereira e a atuação do Grupo Coral Os Cantadores do Desassossego, no domingo, após a exibição do documentário.

Na aldeia de Cabeça Gorda, no concelho de Beja, decorre hoje, a partir das 14:30, a 4.ª edição da iniciativa “Cabeça Gorda, Terra de Cante”, promovida pela Associação Grupo Coral Moços da Aldêa e que vai incluir várias iniciativas, como uma rota com atuações de grupos corais alentejanos em cafés, bares e tabernas.

Em Castro Verde, as comemorações também vão incluir atuações de grupos corais, hoje, no cineteatro, e a iniciativa “O Cante no Concelho”, que irá decorrer entre segunda-feira e dia 01 de dezembro, em várias localidades, com atividades dinamizadas pelos grupos corais locais, como uma jantar e oficinas de cante, um ensaio aberto, atuações e um magusto.