Este era daqueles textos que já podiam estar preparados antes. Muito antes. Porque era uma inevitabilidade, que acabou por surgir esta noite: na goleada do Benfica frente ao V. Setúbal (6-0), Jonas apontou o golo 100 de águia ao peito, juntando-se a um restrito lote de jogadores a alcançar o feito pelos encarnados e que conta apenas com outro estrangeiro (Óscar Cardozo, que deixou a Luz com 171 golos marcados).

Dissecando a marca, o golo 100, que coincidiu com o segundo do Benfica na sequência de um canto marcado por Pizzi na direita do ataque encarnado, confirmou algumas “regras” mas contornou outras, como se percebe pelos dados apresentados pelo Playmakerstats. Expliquemos: foi marcado na Primeira Liga e na grande área (o mais normal), mas foi de cabeça, após bola parada e frente ao V. Setúbal (o menos normal).

Ainda assim, há um outro feito tão grande ou maior do que este: Jonas marcou pela décima jornada consecutiva, numa série que começou com um hat-trick frente ao Belenenses e que se prolongou diante de Rio Ave, Portimonense, Boavista, P. Ferreira, Marítimo, Desp. Aves (bis), Feirense, V. Guimarães e V. Setúbal (bis).

Apenas um jogador do Benfica conseguiu marcar em pelo menos dez jornadas consecutivas ao longo da história: Julinho, o avançado contratado ao Académico do Porto em 1943 a troco de 25 contos (mais dez para o próprio), em 1949/50, temporada em que voltaria a ser o melhor marcador do Campeonato, tal como em 1942/43. Na altura, o avançado marcou 12 rondas seguidas; agora, esse será o grande desafio para o brasileiro. Que, já na sexta-feira, tem um teste de fogo para a sua série na deslocação ao Dragão para defrontar o FC Porto.