Antes da receção ao FC Porto, o Sporting teve um penalizador empate em Moreira de Cónegos frente ao Moreirense. Esse é o tipo de jogo que, quando se olha para trás, se lamenta. No entanto, no caso dos leões, acabou por ser uma exceção. E a verdade é que os comandados de Jorge Jesus estão a render mais fora do que em casa, a nível de pontos (19-17) e de golos (17-13), o que faz da equipa a mais concretizadora da Liga como visitante.

Esse dado acaba por empurrar o Sporting para uma estatística que mostra bem a consistência da equipa até ao momento: há 22 anos que os leões não chegavam ao final da 14.ª jornada sem derrotas, melhorando até o registo dessa equipa liderada por Carlos Queiroz que tinha Figo, Balakov, Amunike e companhia (11 vitórias e três empates agora, contra dez triunfos e quatro igualdades na temporada de 1994/95). Pormenor curioso: Gelson Martins e Daniel Podence, titulares na partida desta noite, não eram sequer nascidos…

Para isso muito contribui a eficácia do conjunto verde e branco a dois níveis: por um lado, os golos de cabeça como aquele com que Fábio Coentrão inaugurou o marcador nos descontos da primeira parte; por outro, os golos obtidos na sequência de bola parada, como os dois de Bas Dost no segundo tempo após canto e livre lateral. Em ambos os rankings, o Sporting lidera a nível de Liga, com especial peso do holandês para ambos os registos.

Há um outro dado estatístico curioso destacado pelo Playmakerstats em relação ao jogo desta noite no Bessa: com os dois golos apontados frente ao Boavista (mais dois, que elevam a contabilidade para seis em três jogos contra este adversário), Bas Dost passou a ter no Sporting o clube pelo qual mais golos marcou: 52, mais um do que no Heerenveen e mais quatro do que nos alemães do Wolfsburgo.