Rádio Observador

Angola

Angola expulsou em dois meses mais de 30 mil imigrantes ilegais na Lunda Norte

As autoridades angolanas expulsaram mais de 30 mil imigrantes ilegais da província da Lunda Norte, de onde saíram igualmente de forma voluntária pouco mais de 28 mil outros estrangeiros.

BRUNO FONSECA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As autoridades angolanas expulsaram, nos últimos dias, mais de 30 mil imigrantes ilegais da província da Lunda Norte, de onde saíram igualmente de forma voluntária pouco mais de 28 mil outros estrangeiros em situação irregular, segundo o Governo.

O dado foi avançado esta terça-feira pelo ministro do Interior de Angola, Ângelo Veiga Tavares, na abertura do I Conselho Consultivo Alargado daquele órgão do Estado, que decorre até quarta-feira, em Luanda. O Ministério do Interior iniciou, em setembro, na província da Lunda Norte, a “Operação Luembe”, para o combate da imigração e garimpo ilegal nas zonas de reserva mineira.

O governante angolano orientou as restantes províncias fronteiriças do país, sobretudo aquelas em que o tráfico ilícito de diamantes é mais acentuado, a procederem do mesmo modo que a Lunda Norte. Além da Lunda Norte, Ângelo Veiga Tavares referiu que também em Luanda foram realizadas algumas operações pontuais, com destaque para a localidade do “famoso Mártires de Kifangondo”, zona da capital angolana habitada por um grande número de estrangeiros, sobretudo de origem africana, e referência na comercialização ilegal de moedas estrangeiras.

Segundo o ministro, nas operações foram apreendidos valores avultados, “algumas centenas de milhares de moeda estrangeira e outros tanto milhões de kwanzas”, bem como detidos alguns cidadãos estrangeiros em situação irregular. “Estamos nesta localidade a procurar que a ordem pública seja mantida, temos as nossas forças no terreno, procurando dar condições de funcionamento normal ao Mártires de Kifangondo”, disse o ministro.

Ângelo Veiga Tavares recomendou que essas ações sejam igualmente levadas a outras localidades, “onde se vive também idêntica situação de desordem, que é preciso corrigir imediatamente”.

“De todo o modo, continuamos a defender que, no domínio particular do tráfico de moeda, devemos ter legislação cada vez mais forte”, considerou o ministro, argumentando que a legislação existente “é demasiado branda” e alguns dos esforços que são feitos pelos órgãos de polícia acabam por esbarrar com a fragilidade da mesma.

Relativamente à situação interna daquele ministério, o titular da pasta do Interior de Angola disse que decorre o trabalho de reorganização dos seus órgãos, com particular atenção da Polícia Nacional (PN) e o Serviço de Investigação Criminal (SIC).

O ministro referiu que nesse processo de consolidação da nova estrutura do SIC e na transição do regime de carreira da PN para o regime específico de carreira do SIC, tem de “haver a coragem” de se depurar do seu seio “aqueles indivíduos que não reúnam condições técnicas suficientes e idoneidade moral para fazer parte desse serviço bastante importante”.

Na sua intervenção, Ângelo Veiga Tavares deu também particular atenção aos efeitos que as chuvas causam no país, numa altura em que se aproxima o seu período mais acentuado.

“Sabemos que o período de chuva causa sempre grandes constrangimentos à nossa população, é preciso que a comissão nacional de proteção civil, que as comissões provinciais coordenadas pelos respetivos coordenadores províncias e as administrações municipais tomem algumas medidas no sentido de os efeitos das chuvas não serem tão gravosos”, frisou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)