Para a Audi, o novo e-tron está pronto para a fase seguinte. A dos testes, nas piores condições possíveis – do frio extremo ao calor tórrido, passando pela poeira e cargas sistemáticas em alta potência e em baixa. Para depois, quando finalmente for entregue aos clientes, tudo estar em ordem.

O futuro e-tron esteve em Genebra, dentro e fora do salão automóvel, onde alguns dos protótipos que irão iniciar em breve os testes para ultimar pormenores passeavam pela cidade Suíça. O e-tron será o primeiro veículo eléctrico da Audi, estará disponível para venda logo em 2020, ou seja, pouco depois de a Volkswagen iniciar a comercialização do seu também primeiro I.D. – a tal berlina que oferece as dimensões exteriores do Golf e as interiores do Passat, que comerá a ser produzida no final de 2019, para ser entregue aos clientes no início de 2020 –, sendo o primeiro dos muitos eléctricos que a marca dos quatro anéis pretende introduzir no mercado.

O construtor não levanta o véu sobre as características técnicas, com os seus responsáveis a limitarem-se a afirmar que o e-tron “possuirá uma autonomia compatível com viagens mais longas”. Mas, por portas e travessas, há mais dados disponíveis, a começar por apontar a uma autonomia de 500 km, provavelmente na versão base. É expectável que a Audi, como os restantes fabricantes europeus, copiem uma solução já proporcionada pela Tesla e que consiste em, a pedido e por um preço, o condutor poder usufruir de uma autonomia superior, uma vez que facilmente existirão umas versões equipadas com baterias de maior capacidade.

Em matéria de motores, eléctricos obviamente,  e-tron montará unidades à frente e atrás, mais que não seja para usufruir de tracção às quatro rodas, sendo que será mais um concorrente do I-Pace da Jaguar, do que do Model X da Tesla, por uma questão de dimensões. E de preço, com o Jaguar a começar a oferta ligeiramente acima dos 80 mil euros, com bateria de 90 kWh e uma autonomia de 480 km.

Para que o seu primeiro SUV eléctrico esteja à altura das versões que já comercializa a gasolina e a gasóleo, em termos de robustez e fiabilidade, a Audi vai arrancar com a fase de testes para verificação. São 250 protótipos que vão percorrer cerca de 5 milhões de quilómetros, quatro continentes e todo o tipo de estradas, sob temperaturas que vão oscilar entre -20 e 50ºC. Resta agora esperar pela versão definitiva do SUV mais amigo do ambiente da marca alemã.