Música

Dead Combo editam em abril o álbum “Odeon Hotel”

O grupo português Dead Combo edita no dia 13 de abril o álbum "Odeon Hotel", que conta com vários convidados, entre os quais o músico norte-americano Mark Lanegan, a cantar Fernando Pessoa.

TIAGO PETINGA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O grupo português Dead Combo edita, a 13 de abril, o álbum “Odeon Hotel”, que conta com vários convidados, entre os quais o músico norte-americano Mark Lanegan, a cantar Fernando Pessoa, revelou esta quarta-feira a editora Sony Music. “Odeon Hotel” é o sexto álbum de originais assinado pelo baixista Pedro Gonçalves e pelo guitarrista Tó Trips, e foi gravado em Lisboa ao longo de um ano, com produção do músico norte-americano Alain Johannes.

O álbum tem treze músicas, entre as quais “Deus me dê grana”, e na gravação entraram ainda os músicos Alexandre Frazão (bateria), Bruno Silva (viola d’arco), Mick Trovoada (percussão) e João Cabrita (sopros). A eles juntaram-se ainda o músico norte-americano Mark Lanegan, a interpretar o poema “I know, I alone”, de Fernando Pessoa, e o produtor e multi-instrumentista Alain Johannes.

Ao vivo, os Dead Combo habitualmente são Pedro Gonçalves e Tó Trips, embora nos últimos anos tenham integrado outros músicos em concertos. Para apresentar “Odeon Hotel”, a dupla portuguesa contará com uma formação inédita, com Alexandre Frazão, o saxofonista Gui, dos Xutos & Pontapés, e o contrabaixista António Quintino. A nova digressão começa a 12 de abril, no Convento São Francisco, em Coimbra, seguindo depois por cidades como Évora, Caldas da Rainha, Portalegre, Silves, Setúbal, Porto e Santa Maria da Feira. Em junho, vão estar no Festival A Porta, em Leiria, e em agosto passam pelo festival de Paredes de Coura.

Os Dead Combo, que transitam da Universal Music para a Sony Music, surgiram em 2003, com Pedro Gonçalves e Tó Trips a criarem composições instrumentais marcadas pelo rock, pelos blues, pela tradição da música portuguesa e com influências que se estendem a África e à América Latina. Já editaram álbuns como “Dead Combo – Quando a alma não é pequena”, “Lusitânia Playboys”, “Lisboa mulata” e “Dead Combo e as cordas da má fama”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)