Bilhetes do Tesouro

Portugal colocou 1.250 milhões de euros a juros ligeiramente menos negativos

Portugal colocou a 12 meses 900 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro à taxa de juro média de -0,394% e a seis meses 350 milhões de euros à taxa média de -0,424%.

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Portugal colocou esta quarta-feira 1.250 milhões de euros, montante mínimo anunciado, em Bilhetes do Tesouro a seis e 12 meses com as taxas ligeiramente menos negativas do que as que foram as mais baixas de sempre nos anteriores leilões comparáveis.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na agência Bloomberg, a 12 meses foram colocados 900 milhões de euros em Bilhetes do Tesouro (BT) à taxa de juro média de -0,394%, de novo negativa mas superior à registada em 17 de janeiro, quando foram colocados 1.250 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,398%.

A seis meses foram colocados 350 milhões de euros em BT à taxa média de -0,424%, menos negativa do que a verificada também em 17 de janeiro, quando foram colocados 500 milhões de euros a -0,425%. A procura atingiu 1.912 milhões de euros para os BT a 12 meses, 2,12 vezes superior ao montante colocado, e 1.045 milhões de euros para os BT a seis meses, 2,99 vezes o montante colocado.

Num comunicado divulgado na semana passada, a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) anunciou a realização na quarta-feira de dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro com maturidades em setembro de 2018 (seis meses) e em março de 2019 (um ano), num montante indicativo global entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros.

Este duplo leilão já estava previsto e será a última ida ao mercado para financiamento de curto prazo agendada para o primeiro trimestre deste ano, segundo o programa de financiamento do IGCP para 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

O esbulho fiscal

Luís Aguiar-Conraria

Se é verdade que a nossa carga fiscal está ligeiramente abaixo da média da União Europeia, também é verdade que o nosso esforço fiscal está muito acima da média. Está, por exemplo, 37% acima do alemão

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site