Óbito

D. António dos Santos, bispo emérito da Guarda, morreu aos 85 anos

D. António dos Santos, bispo emérito da Diocese da Guarda, faleceu na segunda-feira aos 85 anos. As exéquias solenes serão realizadas na Sé da Guarda, na quarta-feira, às 15h00.

Autor
  • Agência Lusa

O bispo emérito da Guarda, António dos Santos, morreu esta segunda-feira, aos 85 anos, no hospital daquela cidade, anunciou esta terça-feira fonte da diocese. Em comunicado publicado na sua página da internet, a diocese da Guarda refere que o antigo bispo faleceu pelas 19h30 de segunda-feira, no Hospital Sousa Martins, onde estava internado.

D. António dos Santos, bispo emérito da Diocese da Guarda, faleceu hoje, dia 26 de Março de 2018, às 19h30 horas, no Hospital da Guarda. A Diocese da Guarda está de luto”, pode ler-se.

António dos Santos nasceu a 14 de abril de 1932, no concelho de Vagos, Aveiro, e foi ordenado presbítero em 1 de julho de 1956, em Albergaria-a-Velha.

Entre 1976 e 1979 exerceu as funções de bispo auxiliar na diocese de Aveiro e em 17 de novembro de 1979 foi nomeado bispo da Guarda, mantendo-se em atividade até 1 de dezembro de 2005, altura em que resignou, por motivos de saúde, tendo sido substituído por Manuel Felício, lembra a diocese da Guarda. Segundo a nota, a diocese assinalou os 60 anos de ordenação sacerdotal do bispo Emérito da Guarda, no dia 1 de julho de 2016.

O corpo do prelado diocesano será velado a partir das 10h30, na igreja da Misericórdia, na cidade da Guarda. As exéquias solenes serão realizadas na Sé da Guarda, na quarta-feira, às 15h00, seguindo depois o cortejo fúnebre para a sua terra natal, na paróquia de Santo António de Vagos, na região de Aveiro, segundo a diocese.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)