Educação

Governo quer perceber o que está mal no ensino da Matemática: “É preciso agir o mais depressa possível”

6.603

Vai ser constituído um grupo de trabalho para olhar para os programas de Matemática. Um dos objetivos é perceber o que é essencial que todos aprendam. João Costa quer "agir o mais depressa possível".

Ministro da Educação (à direita) esteve no Parlamento com os seus dois secretários de Estado

JOÃO RELVAS/LUSA

O governo quer perceber o que vai mal no ensino de Matemática e o que motiva, ano após ano, os maus resultados dos alunos. Por isso, vai criar um grupo de trabalho para tentar chegar a uma conclusão. O anúncio foi feito esta manhã na Comissão de Educação e Ciência, durante a audiência regimental do ministro Tiago Brandão Rodrigues, pela voz do seu secretário de Estado João Costa.

“O que é que está a falhar com o ensino da Matemática?” A interrogação feita pelo secretário de Estado de Educação é a primeira de muitas a que o governo pretende dar resposta com a criação deste grupo. “Sabemos que o problema passa pelos programas e que ano após ano o cenário se repete”, argumentou João Costa, referindo que os últimos dados divulgados sobre notas de Matemática mostram que o panorama é negro.

O secretário de Estado referia-se ao relatório divulgado este mês pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) e que mostra que um terço dos alunos entra no secundário com negativa a Matemática. O mesmo relatório identifica esta disciplina como sendo aquela em que os alunos do 7, 8 e 9.º ano têm pior desempenho. Por outro lado, quem reprova a Matemática dificilmente recupera nos anos seguintes, mostram os mesmos dados da DGEEC.

Quando olhamos para os dados desagregados, o cenário ainda é pior. Em escolas em que temos taxas de reprovação de 35% elas sobem para os 50% quando olhamos apenas para o escalão da ação social”, diz o secretário de Estado.

Aliás, João Costa sublinhou a preocupação da atual equipa ministerial em combater os efeitos negativos da pobreza, voltando a lembrar que a pobreza é o fator com mais impacto no sucesso académicos dos alunos.

Por isso mesmo, e na mesma comissão, a secretária de Estado Adjunta, Alexandra Leitão, — que também acompanhou o ministro na audiência — anunciou que os alunos carenciados vão ter prioridade na escolha da escola.

Quanto à Matemática, João Costa diz que o ministério sabe que um dos problemas são os programas mas o rol de fatores não se encerra aí. “Sabemos, por exemplo, que houve uma antecipação de conteúdos e sabemos que estão a ser dados conteúdos aos alunos do 3.º ano que antes eram dados aos alunos do 5.º ano. E os alunos não estão preparados para isto”, refere o governante.

Para conseguir chegar a uma conclusão, João Costa acredita que também serão importantes os relatórios das provas de aferição, já que uma vez desagregados os resultados é possível perceber em que áreas da Matemática os alunos têm mais dificuldade.

“É preciso agir o mais depressa possível. É preciso constituir uma equipa para olhar para os programas e é preciso perceber porque o problema da Matemática persiste”, concluiu João Costa.

Para já, o grupo de trabalho ainda não é uma realidade. O secretário de Estado está ainda na fase de convites, não se comprometendo com uma data para a sua constituição.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Ranking Escolas 2018

Os rankings e a liberdade de escolha

João Muñoz de Oliveira

Se os rankings oferecem uma fotografia, o indicador de percurso oferece um filme. Ao contrário de quem quer acabar com os exames e rankings, eu acredito no valor da informação como fonte de liberdade.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)