A informação começou a circular a seguir ao almoço esta sexta-feira: os jogadores do Sporting, que regressaram apenas esta manhã a Lisboa, teriam recusado fazer parte da sessão de treino agendada enquanto Bruno de Carvalho, presidente dos leões, não comparecesse no balneário para discutir o teor da publicação feita no Facebook após a derrota em Madrid. Por volta das 15h30, o Correio da Manhã avançou com isso mesmo, colocando antigos jogadores, treinadores ou dirigentes a comentar o facto (dado como consumado), casos de Fernando Mendes ou Octávio Machado. Ao Observador, fontes ligadas ao clube verde e branco negaram o facto e explicaram de forma detalhada o que terá acontecido desde manhã.

Após o encontro no Wanda Metropolitano, e por forma a minimizar o desgaste numa fase crítica da temporada com vários jogos a meio da semana (além da Liga Europa, haverá ainda a segunda mão da Taça de Portugal), a comitiva leonina pernoitou na capital espanhola e regressou esta manhã a Lisboa, tendo aterrado ainda antes das 11 horas e rumado a Alvalade para o treino que já estava marcado e que visava, sobretudo, a recuperação físicas dos jogadores utilizados com banhos e massagens (os não convocados ou que jogaram poucos minutos fizeram uma sessão normal de trabalho). À mesma hora, como foi também noticiado, Bruno de Carvalho estava na Procuradoria-Geral da República. Os jogadores terão saído de Alvalade às 13h30. O jornal Record avança que, perante a impossibilidade de falar com o presidente, Jorge Jesus terá decidido dispensar os jogadores, tendo saído do recinto com a restante equipa técnica ainda antes das 13 horas.

“O Correio da Manhã, na sua senda habitual de mentira e mau jornalismo militante, decidiu publicar nova falsidade. Desta vez é que os jogadores do Sporting se recusaram a treinar em Alcochete. O caso é tanto mais grave quanto um responsável editorial do CM contactou o assessor de imprensa do futebol profissional que, de pronto, desmentiu a informação errada e explicou que o treino sempre esteve programado para Alvalade, mal a equipa chegasse de Madrid. Os jogadores utilizados ontem [quinta-feira] fizeram treino de recuperação como é habitual e os restantes treinaram normalmente, tendo saído todos de Alvalade por volta das 13h30. É lamentável que o CM tenha dado eco a uma mentira e uma calúnia, mais uma, veiculada por Rui Franco, alguém que nada tem que ver com a estrutura do Sporting e que, afirmando-se sportinguista, é o mesmo que publicou recentemente nas redes sociais o desejo de ver o Sporting perder”, escreveu o Sporting em comunicado.

post que teria, de acordo com o Sporting, originado tudo surgiu num grupo do Facebook. “Última hora: bomba em Alvalade. Jogadores do Sporting indignados pelas reações do presidente do Facebook após derrota em Madrid, esperam reunião com BdC mas BdC não comparece. Fonte: totalmente fidedigna do interior do balneário”, dizia.

Com ou sem recusa, a verdade é que as declarações de Bruno de Carvalho não foram bem aceites pelos jogadores leoninos, que tiveram apenas conhecimento das mesmas entre a zona mista e a chegada ao hotel. Jorge Jesus, por exemplo, assumiu na conferência de imprensa que aquilo que lhe estavam a perguntar sobre o post do número 1 verde e branco era uma surpresa, mas recusou fazer qualquer comentário. “São perguntas que não têm nada a ver com o jogo. É uma novidade para mim o que o presidente escreveu. Não vou responder sobre qualquer situação do meu presidente, esqueça isso”, esclareceu. Existe, no seio do grupo de trabalho, a sensação de “injustiça” nos comentários após um jogo que, de facto, não correu bem a alguns jogadores, nomeadamente Coates, uma espécie de líder sem braçadeira do atual plantel verde e branco.

“O que realmente importa são os emails, o e-toupeira, os vouchers e os jogos para perder”, diz Bruno de Carvalho

Em paralelo, soube-se também que Bas Dost, que a par de Fábio Coentrão não vai disputar a segunda mão dos quartos de final da Liga Europa com o Atl. Madrid em Alvalade por estar castigado, assumiu que não sabia estar à bica em relação aos cartões. “Não começámos bem. Nem conseguimos acreditar quando sofremos tão cedo, mas tínhamos de continuar e fizemos isso mesmo. Jogámos bem. A este nível, precisas de poucas oportunidades para marcar. Tivemos aquela oportunidade para fazer o 2-1 no final, portanto o 2-0 não é um bom resultado. Castigo? Não é agradável ter sido suspenso, foi uma entrada típica de um avançado. Foi uma entrada desnecessária, nem sabia que estava em risco”, disse à Fox Sports.

“Em vez de 11, fomos nove”. Bruno de Carvalho faz a sua “crónica” e critica vários jogadores do Sporting

De referir que o avançado holandês foi um dos visados por Bruno de Carvalho na publicação feita no Facebook após a derrota em Madrid. “Fábio e Bas Dost ‘não quiseram jogar’ em Alvalade, com faltas para amarelo que nunca poderiam ter feito”, tinha escrito o presidente verde e branco, entre outras críticas sobretudo à prestação dos experiente centrais Coates e Mathieu. “O que vi: uma equipa com atitude mas com uma defesa que não esteve concentrada. Coates e Mathieu a fazerem o que os avançados do Atlético não conseguiam. E o 2-0 a surgir sem nada terem feito para isso, a não ser (e não é pouco) marcarem (…) De 11, em vez de 22 como queria, fomos 9, muitas vezes, e isso paga-se caro…”, comentou.