Bruno de Carvalho marcou esta sexta-feira presença na Procuradoria-Geral da República, onde esteve reunido durante cerca de hora e meia para abordar uma série de temas mais quentes do futebol nacional numa temporada que tem sido particularmente pródiga em casos e polémicas. No final, o presidente do Sporting desvalorizou as críticas e restantes incidências da véspera após a derrota dos leões com o Atl. Madrid, preferindo central atenções naquilo que “realmente importa”.

“Em vez de 11, fomos nove”. Bruno de Carvalho faz a sua “crónica” e critica vários jogadores do Sporting

“Não vou dizer absolutamente nada [sobre o post feito na sua página oficial do Facebook]. Os jogadores só chegaram há pouco, era impossível ter falado com eles. Já o Jorge Jesus foi confrontado com uma pergunta não muito correta sobre isso e tinha acabado de sair do jogo, coitado… O que realmente importa são os emais, e-toupeira, os vouchers e os jogos para perder. Ainda não recebemos nenhum email dos jogadores, acho que todos os nomes que estão nos emails terão mais culpa, de certeza”, referiu, antes de considerar o encontro mantido na Procuradoria como algo positivo para ambas as partes.

Polícia Judiciária junta alegada viciação de resultados a processo dos vouchers e dos emails

“A nossa ideia foi trazer aqui várias posições sobre o estado atual do futebol português. Já estávamos com esta vontade há muito tempo, mas no Sporting é sempre tudo em grande correria. Foi muito importante verificarmos as preocupações e a forma profissional como o Ministério Público está levar a cabo uma série de assuntos que para nós são fundamentais no futebol, e que para o Ministério Público também são. Esta reunião foi muito agradável e muito proveitosa para ambas as partes”, salientou.

Antes da final, Bruno de Carvalho lança 20 propostas (onde se fala de Totonegócio, IVA ou debates na TV)

“Há conversas que não se podem ter com os procuradores mas temos consciência que eles têm a noção de que o futebol é um fenómeno muito particular e que precisa ter uma atenção especializada por parte do Ministério Público. É um fenómeno de uma dimensão tão grande que precisa dessa especialização. Mas ficámos contentes por perceber que as nossas preocupações são idênticas e que o caminho está a ser trilhado. Se falámos dos casos mais mediáticos? Não falámos porque estão em segredo de justiça”, concluiu, a propósito das eventuais garantias que teriam sido dadas por parte das autoridades.