Sporting

“Em vez de 11, fomos nove”. Bruno de Carvalho faz a sua “crónica” e critica vários jogadores do Sporting

412

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, não viajou para Madrid por estar prestes a ser pai mas fez uma espécie de crónica do jogo no Facebook, criticando a prestação de alguns jogadores leoninos.

Bruno de Carvalho não gostou do que viu em Madrid mas ainda acredita que é possível dar a volta em Alvalade

INÁCIO ROSA/LUSA

Bruno de Carvalho não se deslocou a Madrid por estar prestes a ser pai, mas nem por isso deixou de ser notícia na antecâmara do jogo entre o Atlético e o Sporting pela entrevista que concedeu à agência EFE, onde garantiu (mais uma vez) a continuidade de Jorge Jesus no comando técnico dos leões na próxima temporada.

“Um projeto é mais que um jogo ou que um resultado, é uma filosofia e um caminho que temos de percorrer. Claro que queremos ganhar tudo e queríamos ser campeões, mas um projeto não se interrompe por causa de um jogo ou de um mau resultado”, destacou, antes de “dar a tática” para a primeira mão dos quartos da Liga Europa: “Em vez de serem 11 em campo, teremos de ser 22. Foi o que disse aos jogadores. Temos de nos desdobrar, fazer o dobro”.

As coisas acabaram por não correr de feição ao conjunto verde e branco, que aos 22 segundos já perdia por 1-0. No final, entre muitos erros mais individuais do que coletivos, ao contrário do que é normal, o Sporting vai tentar reverter uma desvantagem de dois golos, algo que conseguiu apenas duas vezes nas competições europeias. E Bruno de Carvalho, numa espécie de crónica do jogo, criticou alguns jogadores verde e brancos, como os centrais Coates e Mathieu pelos lapsos em campo ou Fábio Coentrão e Bas Dost pelos amarelos que viram.

“São perguntas que não têm nada a ver com o jogo. É uma novidade para mim o que o presidente escreveu. Não vou responder sobre qualquer situação do meu presidente, esqueça isso”, comentou Jorge Jesus na conferência de imprensa no Wanda Metropolitano após o final do encontro, quando ainda não tinha conhecimento do post.

“De 11, em vez de 22 como queria, fomos nove, muitas vezes, e isso paga-se caro…”, atirou mesmo o presidente leonino. “Viver um jogo de longe custa muito mais, mas ver erros grosseiros de jogadores internacionais e experientes ainda acrescenta mais ao sofrimento. Obrigado aos cerca de 4.000 sportinguistas que se deslocaram a Madrid! Vocês são únicos!”, rematou no texto colocado no Facebook, que aqui deixamos na íntegra.

LIGA EUROPA: QUE FUTURO? TEMOS DE ENCHER ALVALADE!!!!O que queria ter visto:Uma equipa concentrada, com atitude e…

Posted by Bruno de Carvalho on Thursday, April 5, 2018

O que queria ter visto:

Uma equipa concentrada, com atitude e compromisso, defensivamente irrepreensível e com faro de golo. De 11 superarem-se e tornarem-se 22.

O que vi:

Uma equipa com atitude mas com uma defesa que não esteve concentrada. Coates e Mathieu a fazerem o que os avançados do Atlético não conseguiam. E o 2-0 a surgir sem nada terem feito para isso, a não ser (e não é pouco) marcarem.

Gelson, aos 32 minutos, isolado frente a Oblak, em vez de “fuzilar” para a esquerda, tenta colocar em jeito, mas sem força, para o lado direito perdendo um golo que já quase se gritava.

De 11, em vez de 22 como queria, fomos 9, muitas vezes, e isso paga-se caro…

Fábio e Bas Dost “não quiseram jogar” em Alvalade, com faltas para amarelo que nunca poderiam ter feito.

Diego Costa a ser “intocável”, sendo que “pediu” amarelo várias vezes mas não conseguiu, apesar de o merecer pelo esforço constante.

Um livre não assinalado encostado à grande área por falta devido a corte com a mão do jogador do Atlético aos 83 minutos. As mãos e a cara continuam a confundir os russos.

Uma falta aos 87 minutos pelas costas que devia ter dado cartão amarelo ao jogador do Atlético, sendo que isso evidenciou critérios disciplinares diferentes.

Coates fica isolado e, sem foco e não estando concentrado, em vez de rematar faz um passe para Oblak.

E, para terminar, Montero, aos 92 minutos, desperdiçou um golo feito com um remate para o céu quando só se pedia um simples encosto.

O Atlético não dominou mas venceu por 2-0.

O Sporting CP demonstrou que tem equipa para fazer mais, mas não o fez.

Agora, em vez de podermos resolver mais fácil em Alvalade, resta-nos sonhar com a reviravolta. É possível? É! Era necessário este resultado de hoje? Não!

Viver um jogo de longe custa muito mais, mas ver erros grosseiros de jogadores internacionais e experientes ainda acrescenta mais ao sofrimento.

Obrigado aos cerca de 4.000 Sportinguistas que se deslocaram a Madrid! Vocês são únicos!

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)