James Comey, ex-diretor do FBI, revela no novo livro “A Higher Loyalty” (Uma Lealdade Maior) que Donald Trump “não tem ética”, que é “desvinculado da verdade” e que exige lealdade como se fosse um chefe da máfia, avança a Associated Press.

O livro inclui uma passagem em que Comey recupera um jantar que teve com Trump na Casa Branca uma semana depois de ter tomado posse. Nesse jantar, o presidente dos EUA disse ao então diretor do FBI: “Preciso de lealdade. Espero lealdade”. Comey respondeu-lhe com silêncio, mas Trump voltou-lhe a pedir lealdade e a dizer que “teria sempre honestidade” da parte de Trump.

James Comey foi despedido em maio de 2017 por Donald Trump, numa altura em que o FBI admitia publicamente investigar os alegados contactos mantidos entre a campanha de Trump e o Kremlin durante as presidenciais norte-americanas. Era Comey quem estava a liderar a investigação.

Trump tem estado em guerra com Comey desde que o demitiu, alegando que o processo dos e-mails de Hillary Clinton foi mal conduzido por Comey.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ex-diretor do FBI revela no livro que Comey estava na Trump Tower juntamente com outros membros do serviço de inteligência para informar o vice-presidente Mike Pence e os seus principais assessores sobre os esforços russos para influenciar as eleições. O que Comey reteve desse encontro foi “Eu sentei-me lá a pensar, ó meu Deus, eles estão a tentar fazer de nós uma ‘amica nostra’, como se fossemos amigos. Para nos atrair”.

No livro, Comey expressa repetidamente que eo preocupa que o presidente esteja a prejudicar as instituições democráticas. No epílogo, refere-seao “incêndio florestal que é a presidência de Trump”.