Redes Sociais

Dois terços dos links partilhados no Twitter são publicados por contas automáticas e não por seres humanos

Um centro de investigação norte-americano descobriu que 66% dos links partilhados do Twitter são divulgados por bots. O Pew Research Center examinou 1.2 milhões de tweets.

O centro de investigação utilizou a ferramenta "Botometer"

SASCHA STEINBACH/EPA

O Twitter é uma rede social. Ora, rede social, por defeito, será algo que une uma sociedade, logo composta por pessoas. Depreende-se assim que tudo que ali seja escrito, partilhado e divulgado provenha de seres humanos. Mas parece que não é assim. O Pew Research Center, um centro de investigação de Washington, concluiu que 66% dos links para sites populares que são partilhados no Twitter são divulgados por bots: contas autónomas que conseguem partilhar conteúdo ou interagir com utilizadores sem intervenção humana.

O centro de investigação analisou 2.315 links para sites populares divulgados na rede social e examinou cerca de 1.2 milhões de tweets. Além de descobrir que 2/3 dos links publicados não passam pela mão de humanos, revelou uma grande discrepância entre as ligações para sites de entretenimento e aquelas para sites noticiosos: no primeiro caso, 89% dos links são da responsabilidade de bots; no segundo caso, essa percentagem cai radicalmente para 22%.

Para identificar estes bots, o Pew Research Center utilizou o Botometer – uma ferramenta criada por investigadores da Universidade da Califórnia que estima a probabilidade de uma determinada conta ser controlada autonomamente.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Janeiro é o mês dos divórcios /premium

Rui Maria Pêgo
176

Se é verdade que um país que não produz cultura não pensa sobre si mesmo, um país que assiste passivo a uma televisão - ou ouve inanimado uma rádio – também se demite de se sentar à mesa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)