O Benfica-FC Porto terminou da pior forma, com graves incidentes que obrigaram a um carga policial mais musculada e até ao disparo de alguns tiros de bala de borracha. Num primeiro balanço, estão confirmadas sete detenções e seis polícias feridos.

Após o final do jogo, a confusão terá começado a ser percetível entre as portas 10 e 19, ainda sem ser conhecido o motivo que tinha desencadeado a intervenção policial. Os problemas começaram ainda no interior do recinto e seguiram depois para as imediações do estádio da Luz. Choveram pedras, garrafas e petardos contra as forças policiais, que reagiram em força e foram atrás dos adeptos que tinham estado nos distúrbios.

“Os adeptos do Benfica envolveram-se em desordem entre eles, o que obrigou a intervenção policial para cessar os desacatos, tendo à posteriori os adeptos do Benfica virado a sua agressividade para os polícias, o que obrigou ao emprego da força de forma mais musculada. A PSP, com calma, teve de ir retirando os adeptos mais problemáticos do interior do recinto desportivo, sendo que obrigou a meios coercivos. Durante o uso da força, houve arremesso de muitos objetos por parte dos adeptos do Benfica, nomeadamente pedras e garrafas, tendo obrigado a uma vaga de dispersão, retirando esses adeptos para o exterior”, referiu o comissário Sérgio Soares numa espécie de primeiro balanço a todos os incidentes registados.

Como a polícia preparou o dia em que os três grandes se juntam na mesma cidade à mesma hora

“Temos sete detidos, seis polícias feridos por arremesso de garrafas e pedras e houve a necessidade de fazer recurso a meios coercivos. O que a polícia quis foi retirar os adeptos do complexo, repor e normalizar a ordem pública no recinto. Depois houve necessidade de limpar as ruas ao redor. O balanço era positivo até ao momento, mas tudo fizemos para que tudo corresse da melhor forma. Os desacatos começaram no topo sul do estádio, entre adeptos do Benfica. Tivemos de intervir para cessar os mesmos ainda dentro do recinto”, acrescentou o responsável.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O comissário adiantou ainda que houve adeptos do Benfica e do FC Porto que também ficaram feridos, embora não conseguisse dizer quantos. Várias ambulâncias acorreram ao local para prestar assistência aos feridos.

“Sabíamos que era um jogo de risco elevado, com casa cheia, cerca de 63 mil espetadores, 3.400 oriundos e adeptos do FC Porto. Tendo em conta o contexto, decidimos colocar este policiamento mais musculado e, de facto, houve necessidade de usá-lo na parte final do jogo depois da desordem entre os adeptos do Benfica”, acrescentou o comissário.

Um golo de Herrera, aos 90 minutos, deu esta noite ao FC Porto a vitória no clássico com o Benfica, por 1-0, e devolveu aos dragões a liderança da Primeira Liga à 30.ª jornada, com mais dois pontos do que os encarnados.