Defesa

Ministro da Defesa diz que duplo uso, interoperabilidade e “ciberdefesa” são prioridades para investimento

A possibilidade de "duplo uso" de equipamentos e sistemas, o reforço da interoperabilidade e mais investimento no domínio "ciberdefesa" são as prioridades definidas por Azeredo Lopes.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A possibilidade de “duplo uso” de equipamentos e sistemas, o reforço da interoperabilidade e mais investimento no domínio “ciberdefesa” são as prioridades definidas pelo ministro da Defesa Nacional na revisão da Lei de Programação Militar (LPM). Em declarações à Lusa, Azeredo Lopes adiantou que deu início ao processo de revisão da Lei de Programação Militar, estabelecendo, entre os objetivos, que “tanto quanto possível o reequipamento permita a atuação conjunta dos ramos”, ou seja, “a melhoria da interoperabilidade”.

“Se os recursos são escassos isto significa que não é possível atender a todas as necessidades”, frisou, dando como exemplo a Força de Reação Rápida na missão na República Centro Africana, que integra militares do Exército e da Força Aérea. Em segundo lugar, “sendo possível deve reforçar-se a aposta em equipamentos de duplo uso, que tenham uma dimensão estritamente militar” como um “potencial de utilização civil”.

Azeredo Lopes apontou o caso do Regimento de Apoio Militar de Emergência, sediado em Abrantes, que é “um sistema de apoio à decisão que serve tanto para uma dimensão interna [apoio à resposta a emergências] como pode ser facilmente adaptado para uma utilização mais militar”. Por último, o ministro da Defesa sustentou que os investimentos em equipamento devem atender “ao que, em termos de probabilidade”, vai ser mais necessário, sendo uma dessas áreas a “ciberdefesa”.

Portugal tem atualmente um centro de “ciberdefesa” que funciona no Estado-Maior das Forças Armadas e os ramos dispõem também das suas próprias competências, num domínio que deve ser reforçado, defendeu o ministro. “O domínio ciberdefesa é hoje um teatro de operações, é um quarto domínio operacional, então vai ser preciso que Portugal, com a capacidade que temos, aposte em tornar-se, não digo numa potência, mas tornar-se num país forte, respeitado e credível nessa dimensão `ciber´”, declarou.

“Se nós hoje temos a noção de que as missões operacionais para que estamos mais vocacionadas são missões num determinado teatro de operações que pressuponham uma certa agilidade de atuação e rapidez de atuação então é preciso que quem está envolvido nessas missões tenha o melhor equipamento de proteção e tenha o melhor armamento possível”, defendeu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site