Medicamentos

Medicamento à base de canábis aguarda aprovação nos Estados Unidos e Europa

O medicamento baseado numa fórmula purificada de canabidiol mostrou ser seguro e eficaz no tratamento de duas formas raras de epilepsia que não respondem aos tratamentos existentes.

O medicamento é feito à base da molécula de canabidiol purificada

O uso de um medicamento derivado da canábis para o tratamento de formas raras de epilepsia foi recomendado por um painel de peritos da autoridade do medicamento norte-americana (Food and Drug Administration) na passada semana. Se a FDA seguir a recomendação, como se espera que o faça, será o primeiro medicamento à base de canábis a ser vendido nos Estados Unidos, noticia o jornal The New York Times.

A companhia britânica GW Pharmaceuticals, produtora do medicamento — Epidiolex —, também já aguarda aprovação de entrada no mercado europeu. A resposta da Agência Europeia do Medicamento poderá chegar no início do próximo ano. Na Europa, ao contrário dos Estados Unidos, já existe um medicamento derivado da canábis aprovado: o Sativex, da mesma empresa, indicado para o tratamento da rigidez muscular associada à esclerose múltipla.

O medicamento é uma formulação purificada de canabidiol (CBD), uma das moléculas encontradas na planta de canábis (Cannabis sativa). De todas as moléculas encontradas na planta, esta é a que está melhor estudada pelas suas propriedades terapêuticas. O que não exclui que outras moléculas possam ter características medicinais, apenas não estão estudadas.

O canabidiol não tem propriedades psicotrópicas como o tetrahidrocanabinol (THC), a molécula mais importante nos efeitos sentidos durante o uso recreativo da planta. Pela segurança e eficácia que tem demonstrado nos ensaios clínicos, o painel recomenda que seja usado para o tratamento de duas formas raras de epilepsia — síndrome de Lennox-Gastaut e síndrome de Dravet — que não respondem às terapêuticas convencionais contra a epilepsia.

O pedido de aprovação da GW Pharmaceuticals prevê que o medicamento possa ser usado a partir dos dois anos em combinação com os tratamentos já existentes. O medicamento conseguiu da FDA e da EMA a designação de medicamento orfão.

A síndrome de Lennox-Gastaut surge, normalmente, entre os três e os cinco anos e a síndrome de Dravet pode surgir durante o primeiro ano de vida. Sem conseguir controlar as convulsões com os medicamentos disponíveis no mercado, os doentes podem ter vários episódios epiléticos por dia, com o risco de quedas e lesões a eles associados. No caso da síndrome de Dravet, o risco de morte prematura é elevado. Nas crianças, as convulsões constantes e não controladas podem trazer problemas para o desenvolvimento intelectual, atrasos no desenvolvimento em geral e outros problemas de saúde.

Os efeitos secundários mais comuns descritos no ensaio clínico publicado na revista científica The Lancet foram diarreia, sonolência, estados febris, perda de apetite e vómitos. O tratamento também está descrito como potencialmente agressivo para o fígado, mas a situação pode ser controlada.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)