Base das Lajes

EUA tentaram instalar centro de espionagem na base das Lajes

Devin Nunes, congressista norte-americano lusodescendente, queria instalar um centro da agência de espionagem NSA na base das Lajes, nos Açores. Mas EUA duvidaram da capacidade das secretas lusas.

ANTÓNIO ARAÚJO/LUSA

O Congresso norte-americano estudou a possibilidade de instalar um centro de processamento de informação da Agência Nacional de Segurança (NSA) na Base das Lajes, na ilha Terceira, Açores. Mas a hipótese foi por água abaixo porque nem a NSA nem a CIA acreditaram que as secretas portuguesas fossem capazes de lidar com dados confidenciais norte-americanos. A notícia, contada pelo jornal Público, foi inicialmente revelada pelo New York Times, a propósito de um trabalho sobre o congressista luso-descendente Devin Nunes, intitulado “Como Devin Nunes virou a Comissão dos Serviços Secretos do avesso”.

De acordo com o Público, a hipótese chegou mesmo a ser discutida em Lisboa, no Ministério dos Negócios Estrangeiros do anterior Governo do PSD/CDS, que não se opôs. Mas não avançaria. O extenso artigo do New York Times dedicado ao congressista republicano descendente de açorianos, que é um dos principais aliados de Donald Trump no Congresso, dá conta da “obsessão de Nunes pelos Açores”, e das várias tentativas que fez, enquanto membro da Comissão de Serviços Secretos da Câmara dos Representantes, para contrariar o desinvestimento norte-americano nas Lajes.

Depois de várias ideias para as Lajes, nunca consideradas válidas pelo Pentágono, uma das últimas foi a ideia de colocar ali um centro de vigilância da NSA. “Foram apresentadas várias opções durante os contactos que mantivemos e essa foi uma delas”, confirmou ao Público fonte do MNE do tempo do Governo de Pedro Passos Coelho. A ideia só não foi para a frente porque os serviços secretos norte-americanos colocaram diversos entraves, nomeadamente ao facto de Portugal não fazer parte do grupo de cinco países que têm acordos de partilha de informação sensível (Austrália, Grã-Bretanha, Canadá, Nova Zelândia e Estados Unidos).

Na altura em que a ideia de Devin Nunes foi anunciada, já as denúncias de Edward Snowden sobre o programa de vigilância global conduzido pela NSA tinham abalado a confiança daquela agência de segurança.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)