CGTP

Centrais sindicais celebram hoje Dia do Trabalhador em várias localidades

A CGTP comemora hoje o Dia do Trabalhador com manifestações e festividades em cerca de 40 localidades do país, enquanto a UGT centra a celebração em Figueiró dos Vinhos.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A CGTP comemora hoje o Dia do Trabalhador com manifestações e festividades em cerca de 40 localidades do país, enquanto a UGT centra a celebração em Figueiró dos Vinhos, uma das localidades mais afetadas pelos incêndios de 2017.

Sob o lema “lutar pelos direitos, valorizar os trabalhadores”, no 1.º de Maio, a intersindical liderada por Arménio Carlos, a CGTP, tem previstas manifestações, concentrações, convívios e iniciativas culturais, desportivas e lúdicas em várias cidades do país.

O dirigente da CGTP João Torres disse recentemente à agência Lusa que “há bom ambiente e sinais positivos de que haverá boa participação e grandes manifestações em todos os locais em que se realiza esta jornada”.

Durante as comemorações, os dirigentes sindicais vão intervir para “valorizar os resultados obtidos pela luta dos trabalhadores”, mas também afirmar que “é preciso intensificar a ação na rua e nas empresas para acabar com os resquícios da política de direita”, disse João Torres.

Segundo adiantou o dirigente sindical, em causa estão o aumento geral dos salários, a atualização do salário mínimo acima dos 600 euros, o combate à precariedade e a valorização da negociação coletiva, entre outras reivindicações.

As comemorações do Dia do Trabalhador em Lisboa começam de manhã, com a Corrida Internacional do 1.º de Maio, com partida e chegada no Estádio 1.º de Maio. Para a tarde está marcado o desfile entre o Martim Moniz e a Alameda D. Afonso Henriques, com intervenções sindicais.

No Porto, durante a tarde, haverá um desfile pelas ruas da baixa, que terminará na Avenida dos Aliados com um comício sindical.

Por sua vez, a UGT optou por comemorar o 1.º de Maio em Figueiró dos Vinhos, uma das localidades afetadas pelos incêndios de 2017, onde estará o secretário-geral da central sindical, Carlos Silva.

As comemorações do Dia do Trabalhador da UGT começam com um desfile sindical do mercado municipal de Figueiró dos Vinhos ao jardim municipal, onde estão previstas as intervenções de Carlos Silva e da presidente da central sindical, Lucinda Dâmaso.

“Justiça salarial e insistência no diálogo social para a administração pública” será uma das mensagens a passar durante as comemorações da UGT, disse à Lusa Carlos Silva, lembrando que para quarta e quinta-feira está agendada uma greve dos trabalhadores da saúde e para dia 19 uma manifestação de professores.

O líder da UGT sublinhou que no 1.º de Maio haverá ainda um apelo à “valorização do interior” e ao “reforço da coesão social e territorial” bem como ao “reforço da concertação social e ao desafio dos empregadores para um acordo sobre legislação laboral”, entre outros temas.

As comemorações deste ano do 1.º de Maio lembram os 132 anos dos acontecimentos de Chicago, que levaram à criação do Dia do Trabalhador. Naquela data foi realizada uma ação de luta pela redução da jornada de trabalho para as oito horas, que foi reprimida com violência pelas autoridades dos Estados Unidos, que causaram a morte a dezenas de trabalhadores e condenaram à forca quatro dirigentes sindicais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

Inovação em Saúde: oito tendências e um caminho

Luís Lopes Pereira

Em Portugal já existem terapêuticas alvo de contratos baseados no valor. Mas a difícil e demorada contratação pública e a dependência do Ministério das Finanças têm limitado a autonomia para inovar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)