Donald Tusk

Donald Tusk. “Com amigos como Trump, quem precisa de inimigos?”

O presidente da União Europeia (UE), Donald Tusk, classificou o Presidente dos EUA, Donald Trump como "egoísta" e "caprichoso" e questionou: "com amigos destes, quem precisa de inimigos?"

PETRIT PRENAJ/EPA

O presidente da União Europeia (UE), Donald Tusk, classificou esta quinta-feira o Presidente dos EUA, Donald Trump como “egoísta” e “caprichoso” e fez uma pergunta retórica: “com amigos destes, quem precisa de inimigos?”

As declarações de Tusk foram feitas antes da reunião dos líderes dos 28 Estados-membros, na qual vão analisar a forma de lidar com os estragos económicos resultantes das políticas dos EUA e procurar salvar o acordo nuclear com o Irão.

Num impressionante ataque retórico ao líder do maior aliado europeu, Tusk afirmou, perante as recentes decisões de Trump: “Até se é levado a pensar ‘com amigos destes, quem precisa de inimigos?'”.

Trump tem-se afastado dos europeus ao ameaçar aplicar tarifas às exportações europeias de aço e de alumínio e renegar um acordo para impedir o Irão de desenvolver armas nucleares, que a UE acredita ser vital para a segurança internacional. O Presidente norte-americano também quebrou um princípio internacional estruturante dos esforços de paz no Médio Oriente ao mudar a embaixada dos EUA em Israel de Telavive para Jerusalém.

As observações de Tusk sublinham o crescente afastamento das relações entre europeus e norte-americanos. Ao enunciar os tradicionais desafios europeus, da expansão da China à beligerância da Federação Russa, Tusk disse que o mundo “está hoje a testemunhar um fenómeno novo, a afirmação caprichosa da administração norte-americana”. Mas isto terá servido para a perda de ilusões por parte dos europeus.

“Sendo franco, a Europa deve estar grata ao Presidente Trump porque, graças a ele, livrámo-nos de todas as ilusões. Fez-nos compreender que, se precisarmos de uma mão para ajuda, encontrá-la-emos no fim do nosso braço”, disse Tusk.

Durante o jantar na capital búlgara, os líderes europeus foram informados sobre possíveis incentivos para manter Teerão no acordo nuclear apesar de um parceiro importante como os EUA ter saído. A decisão de Trump, de sair do acordo, significa que as sanções dos EUA, suspensas até agora, podem atingir em breve o Irão e as empresas europeias que fazem negócio com este país.

As opções consideradas incluem novas linhas de crédito para o Irão, aumentar a cooperação energética e o uso das leis europeias para proteger as empresas europeias das sanções norte-americanas.

Os lideres europeus vão também discutir as tarifas sobre o aço e alumínio, que pode ser impostas às exportações europeias a partir de 1 de junho. Trump disse que as tarifas são precisas por razões de segurança nacional, mas os europeus, muitos dos quais governam Estados que são aliados dos EUA na NATO, contrapõem que as alegações à segurança são uma desculpa para quebrar as regras da Organização Mundial do Comércio.

“É absurdo sequer pensar que a UE pode ser uma ameaça para os EUA. Temos de trazer a realidade de volta a esta discussão”, desabafou Tusk. A decisão de Trump de mudar a embaixada dos EUA para a contestada cidade de Jerusalém também vai ser analisada. Alguns líderes europeus associaram de forma direta a mudança e a matança de quase 60 palestinianos durante protestos na fronteira de Gaza com Israel.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)