DGS

DGS: Campanha antitabágica visa as jovens mulheres porque estão a fumar mais

107

Em resposta às críticas da deputada Isabel Moreira, a diretora-geral da saúde explicou que o vídeo da nova campanha antitabágica é direcionado às mulheres porque estão a fumar mais do que os homens.

O relatório das doenças oncológicas, publicado em 2017, destacou o aumento de 15% da mortalidade no sexo feminino, entre 2014 e 2015, por tumores malignos de traqueia, brônquios

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, explicou esta quinta-feira que a campanha antitabágica, que a deputada socialista Isabel Moreira classificou de “misógina e culpabilizante das mulheres”, visa diminuir o consumo de tabaco nas mulheres mais jovens, que são quem mais está a fumar.

A campanha, intitulada “Uma princesa não fuma”, mostra o relacionamento entre uma mãe fumadora e uma filha e começou quarta-feira, no mesmo dia em que a deputada socialista Isabel Moreira defendeu que o Ministério da Saúde deve retirar o vídeo.

“Espero que o Ministério da Saúde retire a campanha, que é uma campanha misógina e culpabilizante das mulheres”, declarou à agência Lusa. Confrontada com estas críticas, a diretora-geral da Saúde explicou que esta campanha do Ministério da Saúde, que Graça Freitas acompanhou desde o início, é dirigida a um público alvo: as mulheres jovens.

Isto porque “é nesta parte da população que o consumo de tabaco está a aumentar, em vez de diminuir”, explicou. Segundo Graça Freitas, a campanha tem um enquadramento epidemiológico que são as mulheres adolescentes, porque são as que estão a fumar mais.

Relativamente ao slogan “opte por amar mais”, a diretora-geral da Saúde esclareceu que se refere ao bem-estar, ao amor à vida e não a terceiros. “Queremos, desejamos que o consumo do tabaco se reduza”, adiantou, optando por esperar pela forma como a campanha vai evoluir.

Graça Freitas afirmou ainda que se se verificar que é útil alguma alteração, esta será feita. Segundo o Ministério da Saúde, o consumo de tabaco é responsável por 10,6% das mortes em Portugal, o que significa que o tabaco mata um português a cada 50 minutos e que as mulheres estão a adoecer e a morrer mais por doenças associadas ao tabaco.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Fomos aldrabados

Fernando Leal da Costa

Finanças “sãs” não se podem construir à custa da perda do direito à proteção da saúde da população, mas o saldo deste governo são piores serviços, pior acesso, falta crónica de dinheiro e mais dívida.

Educação

Estado-educador e Estado-cultura, em marcha?

Mário Pinto

Não existe uma educação para a cidadania única e institucional. Há várias concepções de cidadania, mesmo como concepções de vida democrática, pois há pluralismo social e cultural, ou moral e religioso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)