Parlamento

PSD pressiona demissão de ministro-adjunto. “Quem não cumpre a lei, não pode ser ministro”

104

PSD é cauteloso nas palavras, não pede diretamente a demissão do ministro, mas endurece o tom contra Siza Vieira. "Se não for a lei, então que seja a consciência" a fazê-lo demitir-se.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Depois de Rui Rio ter recusado fazer aproveitamento político do caso das incompatibilidades do ministro-adjunto Pedro Siza Vieira, o deputado social-democrata Carlos Peixoto endureceu o tom sobre o assunto: “Quem não cumpre as regras legais das incompatibilidades, quem não cumpre a lei, não pode ser ministro”, disse no encerramento de um debate no Parlamento promovido pelo PSD e dedicado ao tema da justiça, instando o ministro a pôr a mão na consciência e a deixar as funções governativas.

Foi uma espécie de pedido de demissão em forma de sugestão. Siza Vieira acumulou o cargo de sócio-gerente de uma empresa imobiliária com funções governativas, tendo o próprio admitido o “lapso”. Esta semana, o jornal Público acrescentava que na declaração de inexistência de incompatibilidades e impedimentos entregue ao TC, o advogado admitiu que não se encontrava no governo em exclusividade de funções por ser gerente da Prática Magenta, incorrendo numa ilegalidade. Para o PSD, incorrer numa incompatibilidade é “o pior que se pode transmitir aos cidadãos”, e, como tal, o ministro deve cair.

“O que se passa com o ministro-adjunto deste governo não se enquadra nesta lógica [de casos de corrupção] mas tipifica o que de pior se pode transmitir aos cidadãos, que é a violação de regras éticas e de conduta, e a impunidade com que são tratadas. Quem não cumpre regras legais das incompatibilidades, quem não cumpre a lei, não pode ser ministro”, disse, acrescentando que se não fosse a lei então devia ser pelo menos a “consciência”, tanto do ministro como do primeiro-ministro, “a dizer-lhe que devia cessar funções imediatamente”.

O líder do PSD, Rui Rio, já tinha feito uma formulação semelhante sobre o caso do ministro adjunto Siza Vieira, no final de maio,  mas recusou fazer qualquer aproveitamento político da situação. “A demissão é uma questão de consciência do ministro adjunto e do primeiro-ministro”, disse na altura, sublinhando no entanto que não ia “tentar ganhar eleições amanhã só porque há um problema com um ministro”. Rui Rio é, de resto, bastante crítico em relação à legislação do Governo sobre o código de conduta, temendo que se caia em demagogia. “Quando estamos a ser tão severos que as coisas quase não podem ser cumpridas, é um problema”, disse.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)