Rádio Observador

Sporting

“Nunca mais seguirei sequer os eventos desportivos do Clube”. A despedida de Bruno de Carvalho no Facebook

2.428

O presidente do Sporting, destituído em assembleia-geral (AG) no sábado, prometeu deixar de ser sócio do clube na sequência do que diz ter sido uma "golpada" que colocou no poder uma "elite bafienta".

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O presidente do Sporting, destituído em assembleia-geral (AG) no sábado, Bruno de Carvalho, prometeu hoje deixar de ser sócio do clube na sequência daquilo que diz ter sido uma “golpada” que colocou de novo no poder uma “elite bafienta”.

“Podia impugnar esta AG por todas as ilegalidades cometidas: sim. Mas não o vou fazer. Era só o adiar o ter de devolver o Clube a quem nele mesmo manda”, escreveu Bruno de Carvalho num texto publicado esta madrugada na rede social Facebook.

“A minha carta de suspensão vitalícia de sócio segue segunda feira e nunca mais seguirei sequer os eventos desportivos do clube”, prometeu Bruno de Carvalho.

“Quem esteve na AG percebeu que os resultados estão ao contrário”, acrescentou o líder destituído dos “leões”.

De acordo com os resultados finais, a que a Lusa teve acesso, a destituição do Conselho Diretivo, liderado por Bruno de Carvalho, foi aprovada no sábado com 71,36% de votos favoráveis, contra 28,64% de votos no sentido da sua continuidade.

“Servi o melhor que pude o Sporting CP e sei que fizemos coisas que vão perdurar no tempo”, escreveu, lamentando que as elites continuem a dominar o clube.

“Vejo que afinal o clube que amava, que quis transformar num clube popular, de e para o povo, de e para os adeptos, de e para os sócios… afinal nunca deixou de ser um clube de viscondes com sempre com os mesmos a dominar”, escreveu, elencando depois uma série de adversários.

Para o agora demitido presidente do Sporting, os sócios “vão ser sempre fantoches desta elite que só permite entrar quem se render aos seus interesses”.

“Não consigo mais sentir este clube… Não sou mais do Sporting Clube de Portugal porque fui enganado”, mas “não me quero mais aproximar de uma elite bafienta e mal cheirosa que sempre dominou o Sporting Clube de Portugal! Hoje deixei de ser para sempre sócio e adepto deste clube. A tristeza é tremenda, mas a desilusão matou tudo”, escreveu Bruno de Carvalho.

“Foi uma honra servir os Sportinguistas, mas não sinto qualquer honra de ter servido uma instituição que me fez sair com o rótulo de criminoso e de mandante de ataques terroristas”, considerou ainda.

Aqui fica a publicação na íntegra, feita a altas horas de madrugada na sua página do Facebook:

Hoje foi uma das maiores golpadas que assisti ao vivo na minha vida.

Um conjunto de cretinos viciaram os resultados de uma AG. Desrespeitaram os associados, dois associados foram agredidos por seguranças dos agora todos poderosos do clube, recusaram requerimentos, cortaram a palavra às pessoas, não nos deixaram falar como prometido…

Quem esteve na AG percebeu que os resultados estão ao contrário… mas chega!

Foram cinco anos de intensa dedicação e o sentimento que tenho é que me foi tempo roubado.

Não consigo sentir orgulho na obra feita. Servi o melhor que pude o Sporting e sei que fizemos coisas que vão perdurar no tempo.

Mas orgulho… perdi todo quanto vejo que afinal o clube que amava, que quis transformar num clube popular, de e para o povo, de e para os adeptos, de e para os sócios… afinal nunca deixou de ser um clube de Viscondes com sempre com os mesmos a dominar: os Stromps, os Leões de Portugal, os Cinquentenários, os Ricciardis, os Casquilhos, as Isabeis Trigo Miras, as Margaridas Caldeiras da Silva, os Abrantes Mendes, os Barbosas da Cruz, os José Pedro Rodrigues, os Sobrinhos, os Dias Ferreiras, os Barrosos, os Sampaios, os Zé Eduardos, os Seixas, os Severinos, os Vascos Lourencos, os Roquettes, os Godinhos, os Dias da Cunha, os Rogério Alves, os Jaime Marta Soares… Enfim… um clube de ilustres inúteis mas que realmente mandam.

E esqueçam os associados pois nunca vão mandar neste clube… Vão ser sempre fantoches desta elite que só permite entrar quem se render aos seus interesses.

Nunca me irei esquecer dos meus colegas de Direção resistentes! Nunca me irei esquecer dos meus atletas, equipas técnicas e staffs. Todos eles foram a minha família estes cinco anos.

Mas para mim acabou. Podia impugnar esta AG por todas as ilegalidades cometidas: sim. Mas não o vou fazer. Era só o adiar o ter de devolver o clube a quem nele mesmo manda.

Lutei tanto que secou. Não consigo mais sentir este clube… Não sou mais do Sporting Clube de Portugal porque fui enganado… Não quero fazer parte de um conjunto de cretinos que não valem o ar que respiram. Não me quero mais aproximar de uma elite bafienta e mal cheirosa que sempre dominou o Sporting Clube de Portugal! Hoje deixei de ser para sempre sócio e adepto deste clube. A tristeza é tremenda mas a desilusão matou tudo!

Afinal o sportingado era eu, pois era um sportinguista enganado…

Que tamanha ingratidão e injustiça… Mas que fiquem com o clube que eu fico com a minha dignidade e princípios que nunca deixei cair apenas para me manter no poder.

Aos sportinguistas as minhas desculpas por mesmo nesta hora não conseguir ser hipócrita e vos mentir. Vocês não contam para nada neste SCP que é de Viscondes….

Desculpem não ter tido mais força para os expurgar, mas é impossível, pois eles são o SCP!

O meu obrigado a vocês todos pelo carinho que me deram nestes cinco anos! Vocês mereciam muito mais e afinal querem-vos é daqui para fora. Vocês incomodam os Viscondes….

Mas desejo-vos a todos do fundo do coração tudo de bom, para vocês e para o Sporting.

Não, não vou regressar para as bancadas. Não, não vou mais vibrar com as vitórias. Foram 46 anos de um amor intenso mas que vim a descobrir que não era o que eu pensava, que não me identifico minimamente com os seus falsos princípios e falsos valores e que me andava a trair.

Mas também quero dar uma palavra para aqueles que são “bipolares”, pois se não ganhamos ainda mais a culpa é vossa, pois são os primeiros a “dançar” a música dos ilustres.

A minha carta de suspensão vitalícia de sócio segue segunda-feira e nunca mais seguirei sequer os eventos desportivos do clube.

Foi uma honra servir os sportinguistas, mas não sinto qualquer honra de ter servido uma instituição que me fez sair com o rótulo de criminoso e de mandante de ataques terroristas. Tristes e fracos de espírito todos aqueles, muitos ou poucos, que puseram um cruz no sim à destituição da única Direção que teve um mandato, no clube e na SAD, positivo, que fez um Pavilhão, que devolveu a honra de ser do Sporting a milhões de sportinguistas, que conquistou em cinco anos sete títulos europeus e que colocou o Sporting novamente como a maior potência desportiva nacional!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)