Rádio Observador

Futsal

Árbitro do jogo 3 da final entre Benfica e Sporting em futsal agredido com pau ao chegar ao trabalho

1.977

O árbitro Sérgio Magalhães, terceiro árbitro no jogo 3 da final do campeonato de futsal entre Benfica e Sporting (9-6), foi agredido por um grupo de encapuzados, com um pau e uma arma de fogo.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Fábio Ferreira Lima
Mais sobre

O árbitro Sérgio Magalhães, terceiro árbitro do jogo 3 da final do campeonato nacional de futsal entre Benfica e Sporting (9-6), foi alvo de agressões levadas a cabo por um grupo de encapuzados. O incidente ocorreu esta segunda-feira, por volta das 9h30, no Porto, quando o árbitro chegava ao seu local de trabalho, confirmou Luciano Gonçalves, presidente da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF).

Segundo o presidente da APAF, nenhum dos alegados agressores se encontrava identificado com acessórios ligados a clubes, mas, “a avaliar pelo discurso, deduz-se que sejam adeptos do Sporting”, admitiu Luciano Gonçalves. “Vai roubar para o car****” e “Não nos voltas a roubar” foram algumas das frases ouvidas por Sérgio Magalhães no momento da agressão. O árbitro de futsal teve de receber tratamento hospitalar.

Sérgio Magalhães foi um dos quatro árbitros do terceiro jogo entre Benfica e Sporting, que se realizou no último domingo, no Pavilhão João Rocha, e terminou com a derrota dos leões por 9-6, depois de terem estado a vencer por 5-2 — os restantes juízes da partida eram Tiago Silva, Wilson Soares e Bruno Araújo. Deo, Djô e Fortino, assim como o treinador Nuno Dias, foram expulsos do lado do Sporting e o desagrado leonino para com a arbitragem foi vísivel no final da partida.

À esquerda, fotografia de Sérgio Magalhães (ao centro), que circula nas redes sociais em grupos e páginas de apoio ligadas ao Sporting; à direita, página de apoio ao Sporting partilha Facebook da mulher de Wilson Soares, outro dos árbitros do jogo 3 da final.

Desde o dia de ontem que circulam fotografias relativas à equipa de arbitragem e alguns dos seus familiares em grupos e páginas de apoio ligados ao Sporting, onde é possível ler em comentários o descontentamento de vários adeptos leoninos perante a arbitragem do jogo e algumas das fotos entretanto tornadas públicas.

Agressor tinha “um pau e uma arma”

A agressão foi confirmada em comunicado do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, que fala numa agressão por “um indivíduo com um pau e uma arma”. Eis o comunicado na íntegra:

Árbitro de futsal Sérgio Magalhães foi agredido na manhã desta segunda-feira

O árbitro de futsal Sérgio Magalhães foi esta manhã agredido junto ao seu local de trabalho por um indivíduo com um pau e uma arma, tendo recebido tratamento hospitalar.

Este ato cobarde já foi relatado às autoridades policiais, a quem foi apresentada queixa.

O Conselho de Arbitragem repudia este ato de violência e sublinha que o incitamento ao ódio, que continua a ser praticado repetidamente em Portugal, não pode ser dissociado deste tipo de incidentes.

O Conselho de Arbitragem está a prestar todo o apoio ao árbitro Sérgio Magalhães num momento grave e inaceitável, que nenhum agente desportivo merece viver.

O Conselho de Arbitragem da FPF

O Sporting já reagiu aos acontecimentos, negando qualquer envolvimento no caso, repudiando as agressões e realçando que, na sua interpretação, “à luz destas declarações também o Presidente da APAF considera que a arbitragem do jogo 3 da final do playoff do Campeonato Nacional de Futsal foi um verdadeiro escândalo em benefício do Sport Lisboa e Benfica”. Leia o comunicado na íntegra:

O Sporting Clube de Portugal repudia de forma veemente as agressões desta manhã ao árbitro Sérgio Magalhães, independentemente de quem tenham sido os autores deste acto cobarde. O Sporting CP pauta-se por valores de respeito na sociedade, nos quais não estão inseridas acções desta natureza.

No entanto, embora seja, para já, desconhecida a identidade dos agressores, é de realçar que, tomando conhecimento das palavras que alegadamente foram dirigidas ao árbitro Sérgio Magalhães através das quais lhe terá sido dito “não nos voltas a roubar”, o Presidente da APAF, Luciano Gonçalves, se tenha apressado a associá-los ao Sporting CP. Não deixa, por isso, de ser relevante constatar que, à luz destas declarações, também o Presidente da APAF considera que a arbitragem do jogo 3 da final do playoff do Campeonato Nacional de Futsal foi um verdadeiro escândalo em benefício do Sport Lisboa e Benfica. Há que não ter medo de assumir as evidências.

O Sporting CP deseja rápidas melhoras a Sérgio Magalhães.

Já durante a noite de segunda feira, a APAF, na pessoa do seu presidente, Luciano Gonçalves, emitiu um comunicado a reagir à agressão ao árbitro Sérgio Magalhães, repudiando as declarações de Miguel Albuquerque, diretor do futsal do Sporting, no final da partida de domingo. A APAF “exige que sejam apresentadas provas da real existência dos comentários dos referidos árbitros” e considera a “brutal agressão” sofrida por Sérgio Magalhães “reflexo dos discursos incendiários a que infelizmente continuamos a assistir”. De recordar que, no final da partida entre Benfica e Sporting, Miguel Albuquerque revelou que o árbitro Wilson Soares tinha respondido a Divanei, jogador do Sporting, “vai-te fo***, boa sorte para o próximo jogo”. Leia o comunicado na íntegra:

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), repudia as palavras do Diretor da secção de futsal do Sporting, Miguel Albuquerque e a agressão ao terceiro Árbitro Sérgio Magalhães

A Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol (APAF), não pode deixar de repudiar as declarações efetuadas pelo Diretor da Secção de Futsal do Sporting Clube de Portugal, Miguel Albuquerque, após o final de mais um jogo da Fase Final da Liga Sport Zone.

Dada a gravidade das acusações proferidas, relativamente à equipa de Arbitragem e à “suposta forma” como a mesma se dirigiu aos jogadores do Sporting Clube de Portugal, em diversas ocasiões, a APAF exige que sejam apresentadas provas da real existência dos comentários dos referidos Árbitros.

O lamentável nível e tom de discurso apresentado ao longo de toda a sua intervenção, certamente, não se coadunam com os valores de uma instituição como o Sporting Clube de Portugal.

A brutal agressão sofrida pelo 3º Árbitro, Sérgio Magalhães, esta manhã, por parte de elementos encapuzados, quando se dirigia para o seu local de trabalho, pode, naturalmente, ser reflexo dos discursos incendiários a que infelizmente continuamos a assistir.

A APAF não pode aceitar este incendiar constante que os responsáveis dos clubes insistem em manter e irá analisar em conjunto com os Árbitros, ao longo dos próximos dias, qual o devido seguimento a dar a este triste episódio.

A APAF irá ainda apelar, junto das autoridades competentes, para que a segurança destes árbitros e respetivas famílias seja desde já assegurada.

Pela Direção da APAF
Luciano Gonçalves

No seguimento do comunicado assinado por Luciano Gonçalves, o diretor de futsal do Sporting, Miguel Albuquerque fez uma publicação no seu Facebook onde respondeu à APAF, revelando que “é curiosa a quantidade de mensagens que eu e jogadores do Sporting CP recebemos durante o dia de hoje, através das redes sociais, com ameaças de morte, a nós e às nossas famílias, por parte de adeptos do Benfica, devidamente identificados”. Miguel Albuquerque mantém, no entanto, as declarações proferidas no final da partida: “Termino dizendo que se o tempo voltasse atrás teria dito tudo o que disse ontem. Continuo a exigir respeito pelo Sporting Clube de Portugal e pelos seus 3,5 milhões de Adeptos. As agressões de hoje ao árbitro Sérgio Magalhães são reprováveis e há que separar o trigo do joio. Defenderei sempre a minha equipa, o Sporting CP, e os Adeptos quando achar necessário, mas irei condenar sempre quaisquer actos criminosos ou violentos”.

É curiosa a quantidade de mensagens que eu e jogadores do Sporting CP recebemos durante o dia de hoje, através das redes sociais, com ameaças de morte, a nós e às nossas famílias, por parte de adeptos do Benfica, devidamente identificados. Para que conste, tenho, obviamente, as mensagens guardadas para, num futuro próximo e caso seja necessário ou considere pertinente, agir judicialmente contra estes indivíduos.

Como se não bastasse, adeptos desse mesmo clube acham por bem continuar a ameaçar-nos e ofender-nos, desta vez publicamente, via redes sociais.

Porém, a única entidade que vem a público falar sobre este tema é a APAF e para criticar as minhas declarações de ontem sobre a arbitragem que, repito, foi vergonhosa! Ficámos, portanto, a saber que, para a APAF, os árbitros estão acima de qualquer crítica e que é normal agredir jogadores do Sporting CP dentro de campo, como se verificou – e o país inteiro viu – nos 3 jogos da final realizados até ao momento, sem que os agressores tivessem qualquer tipo de punição. Tenho pena que, nestes casos, onde a prova foi testemunhada por milhões de espectadores, a APAF não tenha sido tão célere nas críticas.

Termino dizendo que se o tempo voltasse atrás teria dito tudo o que disse ontem. Continuo a exigir respeito pelo Sporting Clube de Portugal e pelos seus 3,5 milhões de Adeptos. As agressões de hoje ao árbitro Sérgio Magalhães são reprováveis e há que separar o trigo do joio. Defenderei sempre a minha equipa, o Sporting CP, e os Adeptos quando achar necessário, mas irei condenar sempre quaisquer actos criminosos ou violentos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)