A produção renovável de eletricidade abasteceu 60% do consumo no primeiro semestre de 2018, repartida pela hidroelétrica (28%), eólica (26%), biomassa (5%) e fotovoltaica (1,4%), segundo os dados de produção e consumo da REN — Redes Energéticas Nacionais.

Por sua vez, o consumo de energia elétrica avançou 3,7% no primeiro semestre para 2,9%, fixando-se em 25.686 Gigawatts hora (GWh) face ao período homólogo.

Em junho, o consumo de energia registou uma queda homóloga de 2,2% para 3.974 GWh, resultante do elevado consumo registado em junho do ano anterior, devido ao efeito das temperaturas acima da média então registada. Com correção dos efeitos de temperatura e número de dias úteis regista-se uma subida de 0,2%.

No mesmo mês, as condições hidrológicas favoráveis proporcionaram um índice de hidraulicidade de 1,58.

A produção eólica, por seu turno, sofreu condições negativas, com o índice de produtibilidade a registar 0,92.

Segundo os dados de produção e consumo da REN, o saldo de trocas com o estrangeiro voltou, em junho, a ser exportador, equivalendo a cerca de 12% do consumo nacional.

Já no mercado de gás natural manteve-se no mesmo mês a tendência de redução do consumo, devido ao desempenho da produção renovável e à consequente retração no consumo de gás natural para a produção de energia elétrica, registando-se uma queda de 20%, enquanto no segmento convencional a subida foi de 8,5%.

No primeiro semestre, o consumo de gás natural caiu 8,1%, face ao mesmo período do ano anterior, devido a uma contração de 31% na utilização pelas centrais elétricas, parcialmente compensada por um crescimento de 4,9% no segmento convencional.