“É 10 centímetros mais baixo do que eu. Penso que teria defendido o remate do Januzaj”. Foi assim que Thibaut Courtois falou de Pickford e do golo que o guarda-redes inglês sofreu no jogo contra a Bélgica, na terceira jornada da fase de grupos do Mundial. Courtois, o guardião belga, mede 1,99 metros e Jordan Pickford “apenas” 1,85.

A Inglaterra perdeu esse jogo por 1-0, o que fez com que nos oitavos-de-final jogasse contra a Colômbia. Kane marcou primeiro mas Yerry Mina empatou nos descontos e levou o jogo para prolongamento. Nesses 30 minutos não houve golos e o vencedor teve que ser decidido nos penáltis. Aí, no quarto penálti para a Colômbia apareceu Pickford. Carlos Bacca olhou, correu e atirou para a baliza, mas o guarda-redes que atua no Everton esticou-se e defendeu com uma palmada com a mão esquerda.

O guarda-redes adivinhou o lado em três penáltis e defendeu um deles. (AFP/Getty Images)

Tornou-se no herói da seleção inglesa, que pela primeira vez na história venceu no desempate por penáltis num Campeonato do Mundo e afastou numa maldição que a perseguia (com uma grande ajuda de Ricardo). Mas tudo pode ter sido por causa da ajuda de uma garrafa de água. Isso mesmo: parte do segredo para parar aquele penálti de Bacca pode ter estado na garrafa que Pickford levou para a baliza quando começou o desempate por penáltis. De acordo com alguns jornais ingleses, o treinador de guarda-redes da seleção, Martyn Margetson, entregou a Pickford uma garrafa com as indicações sobre o lado mais frequente para onde os jogadores colombianos costumavam marcar os penáltis. Adivinhou três: Cuadrado (foi golo), Uribe (acertou na barra) e o tal, decisivo, de Carlos Bacca.

A resposta a Courtois aos críticos veio no final do jogo: “Não me importa se não sou o guarda-redes mais alto, mas tenho poder e habilidade”. Mas antes do jogo, o histórico guarda-redes inglês, Peter Shilton, recordista de internacionalizações da seleção dos três leões (125), já o tinha defendido: “Parece-me um guarda-redes confiante, com boa colocação e penso que até agora não teve qualquer culpa nos golos sofridos pela Inglaterra”, disse Shilton sobre o guardião de 24 anos, que com oito começou a jogar no clube do coração, o Sunderland.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Foi lá que fez toda a formação, tendo também sido emprestado a vários clubes durante esse período: Darlingon, Alfreton, Burton Albion, Carlisle United, Bradford City e Preston North End. De todas as vezes que foi emprestado, o clube que o recebeu quis sempre ficar mais uma época com ele mas nunca foi possível. A estreia pelo Sunderland aconteceu em janeiro de 2016, na derrota por 3-1 contra o Arsenal para a Taça de Inglaterra.

Pickford chegou ao Sunderland quando tinha oito anos. O ano passado o Everton pagou 34 milhões de euros pela sua contratação (Richard Heathcote/Getty Images)

No final da época 2016/2017 — onde participou em 32 jogos — foi contratado pelo Everton por 34 milhões de euros, o que fez dele o guarda-redes inglês mais caro de sempre. A primeira internacionalização foi em novembro de 2017, contra a Alemanha, num jogo particular (0-0). Foi titular em todos os jogos do Mundial e tem agora a tarefa de ajudar a Inglaterra a atingir as meias-finais de um Campeonato do Mundo 28 anos depois. A última vez foi em 1990, na competição disputada em Itália. Se quisermos falar da última final é preciso recuar 52 anos, até 1966. Coincide também com a única vez em que a seleção dos três leões foi campeã do mundo, num jogo marcado pelo polémico golo de Geoff Hurst.