Professores

Ministério lembra que “tem negociado” com professores e desvaloriza apelo do BE

A secretária de Estado adjunta e da Educação sublinhou que "não retira consequências" do apelo à intervenção do primeiro-ministro feito pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária de Estado adjunta e da Educação lembrou este sábado que o Ministério “tem negociado com os professores”, sublinhando que “não retira consequências” do apelo à intervenção do primeiro-ministro feito pela líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins.

“Eu não tiraria nenhumas consequências daquilo que disse a senhora coordenadora do Bloco de Esquerda. O que está a acontecer é que, no âmbito das suas competências, o Ministério da Educação tem negociado com os professores, em cumprimento da declaração de compromisso que assinámos em 18 de novembro do ano passado e em cumprimento também da lei do Orçamento [do Estado]”, afirmou Alexandra Leitão, em declarações à agência Lusa.

Catarina Martins apelou à intervenção do primeiro-ministro, António Costa, para ser encontrada uma solução que acabe com o “braço-de-ferro” com os professores.

“O senhor primeiro-ministro tem de intervir diretamente para que o Orçamento do Estado seja cumprido e que se encontre uma solução negociada”, defendeu a líder partidária, em declarações aos jornalistas, em Amarante, no distrito do Porto.

A secretária de Estado adjunta e da Educação lembra que as negociações com os professores têm ocorrido e vão continuar.

“[o Ministério da Educação] Já teve várias sessões de negociação, já está marcada uma nova reunião esta semana e depois novas reuniões em setembro, de boa fé, dando passos firmes, para que se possa eventualmente chegar a uma solução, a um bom desfecho, que permita conciliar aquilo que ficou na declaração de compromisso, que é a mitigação dos efeitos do congelamento, mas também com a necessária confiança e sustentabilidade das contas públicas”, acrescentou Alexandra Leitão.

Na sexta-feira, o Ministério da Educação enviou orientações às escolas para que concluam as avaliações finais dos alunos “impreterivelmente até 26 de julho”, quinta-feira, indicando que os diretores escolares só poderão autorizar as férias aos professores depois de estes entregarem todas as notas dos alunos.

Também este sábado, o Sindicato de Todos os Professores (STOP) exigiu a demissão do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e da secretária de Estado adjunta, mantendo que a greve dos docentes às avaliações se prolonga até 31 de julho.

André Pestana, da direção do STOP, disse à Lusa que “a greve vai continuar” até ao fim do mês e frisou que foi entregue um pré-aviso de greve para agosto que “impede a eventual prepotência de diretores que ousem chamar professores” para terminarem as avaliações, prejudicando-os no gozo de férias.

O dirigente sindical revelou que, “perante a chantagem e a gravidade de mais este ataque”, o STOP “vai pedir a partir de hoje a demissão” do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e da secretária de Estado adjunta e da Educação.

“Não vou emitir nenhuma reação [ao pedido de demissão]. Queria apenas dizer que da perspetiva do Ministério da Educação, foi por isso que a nota saiu ontem [sexta-feira] para as escolas, temos de pensar nos direitos dos alunos que são a nossa principal preocupação. E neste momento temos cerca de 80.000 alunos que não conhecem ainda as suas avaliações, que trabalharam todo um ano, e que têm direito a conhecer as suas avaliações e também eles ir de férias com os seus pais”, referiu Alexandra Leitão.

A governante frisa que “foi para desbloquear essa situação, permitindo conciliar de forma equilibrada e adequada”, esse direito dos alunos, com o direito a férias dos professores, que foi emitida a nota, “que permite manter o direito às férias dos professores, desde que entreguem as suas avaliações e desde que esteja previsto um quórum dos conselhos de turma”.

“Dessa forma, nós conseguimos, por um lado, garantir o direito às férias dos professores, e por outro lado, garantir aquele que é o objetivo primordial, aquilo para que trabalha o Ministério da Educação, que é exatamente garantir que os alunos têm o seu direito à educação perfeitamente preenchido e cumprido”, concluiu a secretária de Estado adjunta e da Educação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)