Com a queda do império Espírito Santo, Teresa Guilherme interpôs um processo cível contra Ricardo Salgado, ex-líder do Grupo Espírito Santo (GES) e do BES, no qual reclamava uma indemnização por correr o risco de perder 2,35 milhões de euros, valor investido em papel comercial do GES. A apresentadora perdeu a ação e, noticia o Correio da Manhã, já apresentou um recurso no Tribunal da Relação de Lisboa.

O Tribunal Cível de Lisboa absolveu Ricardo Salgado, e restantes réus, do crime de burla qualificada, no passado dia 26 de junho, e considerou que a apresentadora e as duas empresas por si geridas devem pedir responsabilidades ao Banque Privée Espírito Santo (BPES), banco gestor de fortunas que o GES detinha na Suíça.

De acordo com o CM, Teresa Guilherme alegou na ação cível que “os réus praticaram factos que configuram o crime de burla qualificada” e são responsáveis por “um enriquecimento ilegítimo através de um esquema fraudulento de financiamento [do GES]”.