435kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Depois de mostrar o rabo e berrar a "n-word" na série de Sacha Baron Cohen, político demite-se

Este artigo tem mais de 3 anos

O presidente da assembleia da Georgia esteve no último episódio de "Who Is America", de Sacha Baron Cohen. Depois de um treino em que mostra o rabo para afugentar terroristas, apresentou a demissão.

No episódio Jason Spencer baixa as calças e mostra o rabo à personagem de Baron Cohen num suposto teste para afastar extremista islâmicos homofóbicos
i

No episódio Jason Spencer baixa as calças e mostra o rabo à personagem de Baron Cohen num suposto teste para afastar extremista islâmicos homofóbicos

Showtime

No episódio Jason Spencer baixa as calças e mostra o rabo à personagem de Baron Cohen num suposto teste para afastar extremista islâmicos homofóbicos

Showtime

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sacha Baron Cohen, o comediante que ficou conhecido pelas personagens humorísticas ousadas como Borat, Ali G ou o ditador Aladeen, levou à demissão de Jason Spencer, presidente da assembleia do estado da Georgia, nos Estados Unidos. No segundo episódio da série “Who Is America”, Baron Cohen iludiu o político num treino fictício com uma das personagens que interpreta, Erran Morad, um israelita perito em anti-terrorismo, e levou-o a baixar as calças, mostrar o rabo e berrar a palavra “nigga” (que é considerada extremamente ofensiva em inglês, sobretudo para os negros) para afugentar extremistas homofóbicos.

[o excerto do episódio de Who is America em que se pode ver o treino fictício anti-terrorista que foi feito por Jason Spencer]

A demissão do americano é avançada pelo Journal-Constitution (e confirmada pelo The Guardian). Spencer é um republicano conhecido por querer no estado da Georgia uma lei para banir o uso da burka. No episódio, o político afirma que “tem de se combater o fogo com fogo” e que a legislação servirá para proibir que as pessoas não andem com a cara coberta e não ir contrariarem a primeira emenda da constituição americana (a liberdade de expressão).

Sem Borat, Brüno ou Ali G: Sacha Baron Cohen regressou para atormentar a América

Enganado pelo comediante, o político faz vários “treinos” antiterroristas, como utilizar um “selfie stick” para espreitar por debaixo das pernas de uma pessoa com burka para saber qual o seu sexo. Quando lhe é pedido para dizer a “n-word”, a tal palavra “nigga”, começa a berrá-la várias vezes a Sacha Baron Cohen, em frente às câmaras. O político tira também a calças, mostra os boxers e chega a destapar o rabo como um ato para afastar extremistas islâmicos (segundo o comediante, como todos os extremistas são anti-homossexuais, a forma mais eficiente para afastá-los é apontar para o rabo).

O episódio, tal como a série, foi recebido com controvérsia. Já quando foi revelado o trailer, no início do mês de julho, a ex-governadora do Alasca, Sarah Pallin, criticou o humor de Cohen por utilizar “truques” para ludibriar os entrevistados. A política foi uma das figuras americanas apanhadas pela personagem interpretada por Cohen.

Sacha Baron Cohen está de volta à comédia. Sarah Palin diz que o seu “humor” é “doentio”

Spencer perdeu as eleições primárias em maio, mas ia continuar até novembro no cargo. Numa declaração esta segunda-feira, Spencer já pediu desculpa “pelo episódio ridículo”.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.