Em conferência de imprensa de antevisão ao jogo de apresentação do Sporting, frente ao Marselha, este sábado às 20h30, José Peseiro pede aos adeptos leoninos para demonstrarem união neste primeiro encontro e tolerância para uma equipa que ainda não se encontra na máxima força.

O que vamos mostrar contra o Marselha não é o que vamos mostrar no primeiro jogo da Liga. Sabemos o que podemos fazer neste momento, queremos muito vencer e jogar bem. Queremos que as pessoas tenham vontade de nos ver, um estádio com gente unida e que tenham como único objetivo a defesa do Sporting. É momento de mostrar que estamos juntos e com tolerância para uma equipa que não está completa e com alguns atrasos. O mais importante para nós é o dia 12 de agosto“, refere o treinador do Sporting.

Ora bolas! Saiu a chave 219.894, afinal um número estava ao contrário e o calendário da Liga mudou num par de horas

“Não estamos no mesmo ponto que estão os outros, não digo só os candidatos, mas também as outras equipas. Temos mais 16 dias para estar no nosso melhor momento. Sem desesperar e sem andar aqui com conversas miserabilistas“, afirma José Peseiro, que garante não pensar nas eleições, representando todos os leões: “Sou o treinador de todos os sportinguistas. O que me foca é formar uma boa equipa e ganhar o primeiro jogo. Vejo todos os candidatos da mesma forma, mesmo aqueles que decidiram não dar o meu nome como futuro treinador. Sou o treinador do Sporting, assinei por um ano e mais um de opção“, garante.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

José Peseiro não fugiu ainda ao assunto do momento: o empréstimo de Francisco Geraldes ao Eintracht Frankfurt. “O Francisco, e para parar a especulação, é um miúdo do qual gosto. Falámos várias vezes sobre a importância de ficar no Sporting. Por inúmeras vezes, me procurou a mim e à SAD para dizer que gostaria de sair. Explicámos a posição dele no Sporting, colocando as coisas claras”, começou por dizer o técnico, que prosseguiu: “Foi várias vezes – nem uma, nem duas, nem três – ter connosco, pedindo que pudesse ir para um sítio onde teria mais possibilidades de jogar. Eu entendia que ele tinha condições para estar neste plantel, mas o Francisco tanto insistiu que acedemos ao pedido”.

O médio leonino ainda realizou parte da pré-época com o plantel leonino, mas foi emprestado pela terceira época consecutiva (Créditos: Tiago Petinga/LUSA)

O técnico recordou ainda as últimas palavras trocadas com o médio leonino antes de este rumar para a Alemanha. “Perguntei-lhe: ‘lá vais ser titular indiscutível?’ Gosto do Francisco, tem qualidade para se impor no Sporting. Também entendo a razão de querer um espaço onde jogue mais vezes. Era bom que jogasse sistematicamente, até. Poderá haver questões financeiras a influenciar, creio que o Sporting chegou a fazer uma proposta de aumento de salário. Desejo-lhe a melhor sorte. As coisas entre nós estão ótimas. Ele percebeu a minha vontade e eu a vontade dele”, atirou.

Por fim, o técnico leonino abordou ainda os possíveis regressos de Battaglia e Rafael Leão, que rescindiram com o clube de Alvalade alegando justa causa, deixando um recado aos atletas: entendam o lado do Sporting. “Eles também têm de respeitar e perceber. Estamos a perder algum tempo à espera que as coisas se resolvam. Há que reconhecer a preserverança e paciência de quem está a comandar o clube”, referiu o técnico, concluindo com uma referência ao retorno de Bruno Fernandes e Bas Dost: “Já regressaram dois jogadores. Se Battaglia e Rafael Leão regressarem, são jogadores com capacidade, com competência para estarem no Sporting. Se vierem são bem-vindos“, garantiu.