Porto

Tribunal determinou “embargo total” da obra em Montebelo na Foz Velha do Porto

O tribunal alertou para a "probabilidade" de "ser julgada procedente" a ação principal, o que levaria à "nulidade" de decisões camarárias e à "demolição" da construção.

MICHAEL REYNOLDS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O tribunal determinou “o embargo total” da obra na rua de Montebelo, Foz Velha, Porto, alertando para a “probabilidade” de “ser julgada procedente” a ação principal, o que levaria à “nulidade” de decisões camarárias e à “demolição” da construção.

A conclusão do juiz do Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto (TAFP), a que a Lusa teve esta terça-feira acesso, diz respeito à providência cautelar interposta pela Associação de Moradores e Amigos da Foz Velha (AMAFV) e aponta a “máxima invalidade” ao despacho do vereador do Urbanismo de março de 2016, no qual é deferida uma alteração à operação de loteamento “sem que a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) tenha emitido parecer prévio favorável”.

Na decisão de dia 3, o TAFP determina “o embargo total da obra de construção, demolição e escavação, que está/esteve em curso” no local, pois a “continuação dos trabalhos pode constituir uma grave lesão para o interesse público e para […] o município”, uma vez que, se a ação principal reconhecer a “nulidade de atos administrativos”, levará à “obrigação de demolição e reposição do anteriormente existente” na zona classificada como de interesse público em 2013.

Tal representaria “um prejuízo muito maior se comparado com o mero atraso da obra”, diz o TAFP, afirmando ser “grande a probabilidade de a pretensão da requerente [a AMAFV], formulada na ação principal vir a ser julgada procedente”. Para o tribunal, o “ato nuclear” deste processo é o “deferimento da alteração à operação de loteamento proferido sem que a DGPC tenha emitido parecer prévio favorável”.

Por isso, diz, o despacho do vereador do Urbanismo de março de 2016 “padece da máxima invalidade, na vertente da nulidade”. “A atuação humana sobre a área territorial em apreço [como licenciado pelo município], implica o risco de destruição ou deterioração de um conjunto classificado, impondo-se a tomada de medidas de proteção necessárias”, acrescenta.

O TAFP diz estar em causa “o interesse público”, pois “o facto de terem sido concedidas licenças […] apenas faz pressupor a observância do princípio da legalidade […], mas não que esses procedimentos não padeçam de invalidade, e cujas construções […] não possam ter de vir [se fosse continuada a sua construção] a ser demolidas”. Referindo à hipótese de a demolição ser inviável, o tribunal refere-se ao “dever de ressarcir” que “assistirá, primacialmente, ao município do Porto, que foi quem licenciou”.

A AMAFV interpôs em 2016 em tribunal uma ação contra a Câmara do Porto e o Ministério da Cultura, considerando existirem ilegalidades na aprovação e licenciamento de um loteamento para construir uma residência para idosos naquela zona classificada.

Nessa ação principal, a associação pede ao TAF que condene a Câmara do Porto a “abster-se de aprovar quaisquer licenças de construção para aquele local objeto do loteamento, sem previamente verificar a caducidade do loteamento e assegurando a conformidade do licenciamento com a classificação da Foz Velha e o Plano Diretor Municipal do Porto”.

No âmbito da providência cautelar agora objeto de decisão do TAFP, o juiz determinou em abril a “suspensão” dos trabalhos. Contactado pela Lusa, o presidente da associação disse que a decisão recente do tribunal “protege o património classificado da Foz Velha”.

“A associação alertou por diversas vezes as entidades públicas, incluindo o presidente da Câmara do Porto, para as graves ilegalidades existentes, mas o certo é que foi necessário avançar com esta providência, caso contrário a ilegalidade ia-se materializar com a edificação de um prédio em tudo dissonante com a Foz Velha”, afirmou Fernando Braga de Matos.

Para o responsável, “o tribunal veio confirmar que a associação tinha razão quando alertou para a existência de nulidades”. “Em face da prova avassaladora da existência das ilegalidades/nulidades, e uma vez que o presidente da câmara até nem gostava do projeto, espera-se que retire finalmente as devidas consequências”, acrescentou. A Lusa contactou a autarquia para obter um comentário sobre o processo, mas não obteve resposta até ao momento.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)