Roberto Carlos, antigo lateral esquerdo internacional brasileiro que passou por Inter, Real Madrid, Fenerbahçe ou Corinthians e foi campeão do mundo de seleções e europeu de clube – e que foi depois treinador, em clubes mais modestos –, foi o escolhido para ficar com a pasta do futebol caso Rui Jorge Rego ganhe as eleições ao Sporting. A informação já circulava há algum tempo e acabou por ser confirmada pelo próprio, que colocou uma fotografia de mais um encontro com o advogado de 46 anos que foi secretário da Mesa da Assembleia Geral da SAD verde e branca entre 2011 e 2013.

O pequeno grande lateral esquerdo deu nas vistas no Palmeiras do Brasil, antes de rumar à Europa, onde teve o Inter de Milão como porta de entrada. Depois de apenas uma época em Itália, onde apontou sete golos em 34 partidas e revelou uma ligação íntima com as balizas, transferiu-se para o Real Madrid, onde entrou na história merengue.

Em onze épocas ao serviço do emblema da capital espanhola, Roberto Carlos conquistou três Ligas dos Campeões, quatro Campeonatos e três Supertaças de Espanha, para além de uma Supertaça Europeia e duas Taças Intercontinentais. Em Madrid, jogou com Ronaldo, Zidane, Beckham, Raúl e Figo, outra cara bem conhecida dos sportinguistas e que chegou a ser falado como possível candidato às eleições leoninas.

Os Galáticos de Madrid, em 2003/04, com Roberto Carlos, Casillas, Ronaldo, Beckham, Raúl, Zidane, Luís Figo e companhia (Créditos: Getty Images)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pela seleção brasileira, Roberto Carlos conquistou um Campeonato do Mundo, uma Taça das Confederações e duas Copas América, antes de trocar o Real pelo Fenerbahçe, numa fase mais descendente da carreira. Ainda assim, venceu duas Supertaças da Turquia ao serviço do emblema de Istambul, onde chegou em 2007 e saiu em 2010, quando regressou ao campeonato brasileiro para representar o Corinthians.

Seguia-se uma viagem surpreendente que levava Roberto Carlos a trocar o calor do Brasil pelo frio da Rússia, chegando ao Anzhi numa altura em que o clube russo fazia um forte investimento financeiro. O lateral esquerdo jogou duas épocas na formação russa, sendo que na última, em 2011/12, já desempenhaca a dupla função de jogador/treinador-adjunto, dando os primeiros passos na carreira fora dos relvados.

Roberto Carlos acumulou experiência no banco do Anzhi, no papel de treinador-adjunto, com Guus Hiddink como treinador principal (Créditos: Getty Images)

No ano seguinte, assumiu-se como coordenador técnico do Anzhi, antes de mudar novamente de ares e regressar à Turquia, onde voltou a assumir o cargo de técnico, desta feita principal, no Sivasspor. A experiência não correu pelo melhor e a meio da época seguinte Roberto Carlos mudava-se para o banco do Akhisar, em 2014/15.

Na época seguinte, Roberto Carlos decide experimentar a liga indiana de futebol mudando-se para o Delhi Dynamos, onde é treinador e jogador. Com 42 anos, o lateral esquerdo ainda realiza três jogos, antes de voltar a mudar de experiência, indo para a o futebol australiano, onde treinou o South Melbourne, durante pouco tempo.

Aos 45 anos, prepara-se para enfrentar novo desafio e assumirá a pasta do futebol caso Rui Jorge Rego ganhe as eleições ao Sporting.