Venezuela

Nova Constituição da Venezuela vai ser mais severa com delitos de “traição à pátria”

265

A nova constituição está a ser redigida pela Assembleia Constituinte, composta unicamente por simpatizantes do regime do Presidente, Nicolás Maduro. A oposição não reconhece este organismo.

PRENSA MIRAFLORES HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Constituição da Venezuela, que está a ser redigida pela Assembleia Constituinte, composta unicamente por simpatizantes do regime do Presidente, Nicolás Maduro, vai ser mais severa em delitos como “traição à pátria”, disse na sexta-feira o advogado Hermann Escarrá.

“Vai procurar-se que seja mais severa nesta matéria, sobretudo quando pedem uma intervenção militar e cheguem a acordos com setores militares estrangeiros, antagonistas da Venezuela”, disse, em entrevista à agência EFE, Hermann Escarrá.

No entanto, apesar de um maior rigor na punição relativa à “traição à pátria”, a futura Constituição da Venezuela manterá a duração máxima de 30 anos de prisão para este delito, dado que tal está estabelecido nos tratados internacionais assinados pela Venezuela.

Hermann Escarrá é atualmente presidente da Comissão Constitucional da Assembleia Constituinte encarregada de redigir a nova lei fundamental, depois de no passado ter simpatizado com a oposição, defendido alguns presos políticos e, inclusivamente, ter recorrido ao Tribunal Penal Internacional contra o antigo Presidente Hugo Chávez (chefe de Estado entre 1999 e 2013), que acusou de violações de Direitos Humanos.

A comissão a que preside é uma das 21 instâncias da Assembleia Constituinte, organismo com poderes plenipotenciários, que a oposição venezuelana não reconhece, alegando que carece de legitimidade e que chama mesmo de “constituinte cubana”.

Segundo Hermann Escarrá, a nova Constituição, que deverá estar redigida até finais de 2019, vai criar ainda um Tribunal de Garantias Constitucionais que terá mais poder que o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Venezuela.

O novo tribunal eliminará a atual Sala Constitucional (uma das seis salas que compõe o STJ em pleno), “exercerá controlo sobre o STJ e sobre todo o sistema judicial da Venezuela, na área constitucional”.

Alguns constituintes sugerem que os seus elementos sejam escolhidos por mérito, mas também pelo povo, um tema em que ainda “não há consenso”.

O Tribunal de Garantias Constitucionais será formado por sete magistrados que estarão em funções durante 12 anos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)