Uma amiga de Cristina Ferreira comparou a saída da apresentadora da TVI para a SIC à morte trágica da princesa Diana. O filho de 10 anos lamentou-se por ter de ver as telenovelas da SIC, quando soube da decisão da mãe. E o ordenado milionário, que continua envolto em secretismo, não é muito diferente do que ganhava na TVI. Esta segunda-feira, Cristina Ferreira deu a primeira entrevista oficial, já na estação de Carnaxide, durante o Jornal da Noite. Estas são as frases que marcaram a conversa entre a apresentadora e o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho.

Sobre a decisão de deixar a TVI pela SIC

“Estar aqui hoje é muito culpa do Daniel [Oliveira]. Foi na primeira conversa com o Daniel que percebi que queria vir para aqui, pelo projeto, pela forma como as coisas foram apresentadas. Eu vibro com a televisão. (…) Deram-me de um presente que é um projeto a começar do zero.”

“Contei primeiro ao meu pai, depois ao meu filho. Ele respondeu: ‘Não! Vou ter de ver as novelas da SIC’.”

“Contar ao Manuel [da saída para a SIC] foi dos dias mais difíceis da minha vida. Ele viu logo na cara. São 15 anos. Nós passámos muito tempo juntos e isso nunca foi impedimento para tomar esta decisão. Foi uma decisão muito solitária, não falei com ninguém, quis não falar com ninguém porque teria de ser eu a tomar esta decisão. A decisão foi tomada na primeira reunião.”

“Recebi milhares de mensagens. Há uma senhora que me contou uma história que me vai marcar para sempre. A alegria do filho de oito meses era quando me ouvia gritar “está certo!” no programa. O filho tinha morrido há 15 dias. Disse-me ‘Esteja onde estiver, não deixe de gritar ‘está certo!’ para o meu filho’.”

O que uma amiga lhe disse: “‘O facto de tu deixares as manhãs, a TVI e o Manel é quase semelhante à morte da princesa Diana, porque as pessoas não estão preparadas para isso’.  Eu própria tive dias neste percurso todo em que chorei desalmadamente, liguei para o Manel e os dois chorámos desalmadamente.”

View this post on Instagram

Está quase a começar. ❤

A post shared by Cristina Ferreira (@dailycristina) on

Sobre a TVI

“Estava na TVI a fazer aquilo que me competia. Nunca disse que não a nada que me fosse proposto, nem ao [programa] ‘Apanha-me se puderes’, que podia ser um risco, porque ia fazer concorrência a um programa que está instalado há 15 anos. Quando aceitei, não pensei nisso. Era o desafio. Só depois percebi o horário que estava instalado e o que teria de combater [o programa ‘Preço Certo’].”

“Mas era esse conforto que eu não gostava, o estar todos os dias num local onde sabia que ia ganhar. Nós [Cristina Ferreira e Manuel Luís Goucha] íamos lá [à TVI] todos os dias fazer a mesma coisa, não era desafiante para mim. O Manel não se surpreendeu com essa decisão.”

“Ninguém sai de um sitio onde está completamente feliz. E eu ali [na TVI] sentia que era o meu fim da linha. Ficaria lá 10 anos, mais 20 anos sem qualquer problema, como qualquer um de nós, num outro emprego.”

“Estive sempre acompanhada, embora tivesse feito outros projetos sozinha, mas estive sempre acompanhada e sabíamos que aquela dupla era irrepetível porque encaixámos desde o início, mas também sabíamos que isto um dia ia acontecer, somos de gerações diferentes. Sabíamos que isto era inevitável, ou um ou outro ia sair deste projeto. Aconteceu que fui eu.”

Sobre a televisão

“Eu podia realmente sair do ar e trabalhar apenas na construção de programas. É isso que me interessa, é começar do zero.”

“Sou filha única, cresci numa pequena localidade, nem aldeia é, têm apenas seis, sete casas de família. A minha companhia foi a televisão. Fui crescendo com a ideia do que as pessoas gostam realmente na televisão.”

Sobre a (falta de) privacidade:

“Durante algum tempo isso foi uma coisa que me magoou, senti mais no momento em que entrou para a escola primária. Queria que o meu filho fosse apenas o Tiago, e o meu filho era o filho da Cristina Ferreira. Isso foi complicado de gerir.”

“Protejo muito o meu filho, ele nunca apareceu nas redes sociais. Há uma parte muito privada da minha vida que não quero partilhar com ninguém. Peço desculpa se alguém não compreender isto. Nunca o levei a lado nenhum, o meu filho não sabe o que é ir a um evento ou a ir um lançamento. Não quero que ele seja fascinado. Ele andou sempre numa escola pública. Há um mundo que eu quero que ele tenha e conheça, que é um mundo igual para todos. Acho que estou a fazer um bom trabalho.”

“O público tem o direito de me conhecer. Faço isso todos os dias nos programas onde estou. Sou a Cristina, de verdade. Mais do que isso, lamento… Partilho aquilo que acho que é necessário.”

Sobre o ordenado milionário

“Miguel Sousa Tavares escreveu numa crónica que, na mesma semana em que mudei, toda a gente falou do meu ordenado. Nessa mesma semana foram contratados três jogadores de futebol por valores muito maiores. Ninguém falou disso.”

“Se andamos todos a falar de igualdade e paridade, feliz que sou por ter escolhido uma profissão onde uma mulher pode ganhar mais do que um homem, onde pode ganhar mais do que um homem porque trabalhou para ganhar mais do que um homem. Entrei para a televisão a ganhar 500 euros por mês. Ganhei 500 euros por mês durante muito tempo. Tive de trabalhar muito para passar os 2.000 euros e trabalhei muito para chegar aqui. Sei que gostariam de saber [qual o valor do ordenado na SIC], mas é a minha vida privada. Foi aquilo que a estação considerou suficiente. Não tenhamos ilusões, uma empresa só te paga aquilo que acha que pode ganhar contigo. Ninguém fica numa empresa onde se ganha mais do que se dá.”

“Quando aceitei o convite, ainda não sabia quanto é que ia ganhar. Sei que é muito difícil de acreditar. Não aceitei este convite por dinheiro, aliás não faz muita diferença daquilo que ganhava na TVI. Aceitei este convite pelo projeto. Vou agradecer para o resto da vida todas as oportunidades que me deram. Mas, fazendo justiça, aquilo que me deram, eu paguei.”

Sobre o jornalista Rodrigo Guedes de Carvalho:

“Tu estás privado, já te mandei convite. Eu ensino-te [a mexer nas redes sociais]. Amanhã estou cá para te dar umas lições de Instagram.”

“Há muita gente que olha para ti como um jornalista mais sisudo. Quando eu estrear, posso desmanchar-te um bocadinho no meu programa?”