Rádio Observador

Óbidos

Festival Literário Internacional de Óbidos arranca na quinta-feira

O Folio - Festival Literário Internacional arranca na quinta-feira, em Óbidos, com mais de 830 horas de iniciativas em torno do tema "Ócio, Negócio - A Invenção do Futuro".

CARLOS BARROSO/LUSA

O Folio — Festival Literário Internacional arranca na quinta-feira, em Óbidos, vila onde, durante 11 dias, autores e público participarão em mais de 830 horas de iniciativas em torno do tema “Ócio, Negócio — A Invenção do Futuro”.

Na sua quarta edição, o festival fomenta, segundo o presidente da Câmara de Óbidos, Humberto Marques, “a reflexão sobre a relação entre o ócio e o negócio e a forma como isso se refletirá no futuro”, numa programação que defende ter “a maior coerência de sempre”.

Os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel da Literatura a José Saramago e uma homenagem a Eduardo Lourenço marcam o primeiro dia do Folio — Festival Literário Internacional de Óbidos que, até 07 de outubro, reunirá na vila escritores como Carlos Franz (Chile), Karla Suárez (Cuba), Abdul Rahman Azzam (Qatar), Ismael Mateus (Angola), António Torres (Brasil), José Manuel Fajardo (Espanha) e os angolanos Pepetela e Ondjaki.

Entre os portugueses marcarão presença, entre outros, Nuno Camarneiro, João Soares, Luís Amado, Hugo Mezena, José Riço Direitinho, Henrique Manuel Bento Fialho, Dulce Maria Cardoso, Alfredo Cunha, Pacheco Pereira e Fernando Rosas.

Ao todo, as 831 horas de programação “envolverão 554 participantes diretos”, entre autores, pensadores, artistas e criativos que, segundo o autarca, participarão nas 26 mesas de escritores, 25 concertos e 11 exposições que compõem o programa com mais de 185 atividades.

Dividido em cinco capítulos (Autores, Folia, Educa, Ilustra e Paralelo), o festival substitui nesta edição o Folio Paralelo pela Boémia, “uma programação que juntará leitores e autores em locais improváveis, para lá da meia-noite”, explicou Humberto Marques à Lusa.

No Ilustra o festival voltará a ser palco da PIM — Mostra de Ilustração e da entrega do Prémio Nacional de Ilustração 2018 a Madalena Matoso, pela obra “Não é nada difícil”.

No Folio Educa há lugar para o IV Seminário Internacional, que reunirá em Óbidos destacados pensadores nacionais e internacionais na área da educação e do ensino.

Este ano, o Dia Europeu das Línguas é também celebrado no Folio com um programa cultural diversificado e atividades para toda a família que, segundo a organização, permitirá “aos participantes experienciar as línguas e culturas de diferentes países europeus”. Trata-se de uma iniciativa da EUNIC Portugal – uma organização sem fins lucrativos integrada numa rede constituída pelos Institutos Nacionais de Cultura – em parceria com o município de Óbidos e com apoio da Representação da Comissão Europeia em Portugal.

Teatro, fado, folk e a prestação de orquestras da região e solistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa integram o cartaz da Folia que marcam os 11 dias de festival que, na sexta-feira (dia 28), será palco da gravação do programa “Governo Sombra”, com Carlos Vaz Marques, Ricardo Araújo Pereira, Pedro Mexia e João Miguel Tavares.

Pelo segundo ano consecutivo, o Folio inclui também cursos de escrita criativa e um Curso Breve ministrado por Gonçalo M. Tavares a partir do livro “O Senhor Valéry” e de Breves notas sobre Literatura Bloom.

A quarta edição do Folio tem um orçamento de 256 mil euros e conta com os apoios do Turismo de Portugal e do Turismo do Centro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidade de Coimbra

Coimbra: Especulações sobre um bife

Ricardo Pinheiro Alves

Porque é que uma instituição veneranda e centenária, criada em Lisboa em 1290 pelo Rei D. Dinis, abandona o reino do saber para entrar no activismo demagógico em que a ciência dá lugar ao marketing?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)