Rádio Observador

Robótica

O robô “Atlas”, da Boston Dynamics, já sabe fazer Parkour (com obstáculos)

Depois das cambalhotas e da colaboração entre dois "cães" para abrir portas, os robôs da Boston Dynamics ganharam, agora, a capacidade de fazer saltos oblíquos complexos (e com obstáculos).

Boston Dynamics

Se uma imagem vale por mil palavras, um vídeo vale por um milhão — sobretudo se for uma filmagem das últimas inovações da empresa de robótica Boston Dynamics (ou, melhor, as últimas inovações que a Boston Dynamics decidiu mostrar). Vamos diretos ao assunto: eis as imagens que a empresa divulgou na quinta-feira.

Este é o Atlas, um dos principais robôs criados pela Boston Dynamics. Em novembro de 2017, ficámos a saber que já era capaz dar cambalhotas para trás e saltar de plataforma em plataforma, com alturas variáveis e calculando na perfeição a propulsão nas “pernas” e o equilíbrio do “tronco” e dos “braços”.

O novo vídeo que a Boston Dynamics divulgou, o primeiro que incluímos neste texto, mostra o Atlas a realizar uma série de movimentos complexos que se assemelham aos movimentos feitos por um praticante de Parkour, a disciplina de treino físico muito popular em várias cidades que envolve saltar em edifícios e outras construções urbanas.

software que controla o robô integra todas as partes do “corpo” para os movimentos. O robô começa por saltar por cima de um tronco de árvore — e fá-lo sem interromper a corrida, fazendo passar uma perna e, depois, a outra (porque saltar com as duas pernas juntas já é tããão 2017).

O melhor vem depois: o robô dá três passadas para escalar até ao topo de três caixotes, cada um 40 centímetros mais alto do que o anterior — o que envolveu três saltos oblíquos, porque as caixas não estavam em fila mas, sim, colocadas ora mais à esquerda ora mais à direita.

Este foi um dos vídeos mais impressionantes divulgados pela Boston Dynamics nos últimos anos, a que se juntou um outro, que saiu no início de 2018 e que mostra dois “cães mecânicos” a colaborar para passar de uma sala para outra, passando por uma porta que estava fechada. São 45 segundos de sublime espanto (ou 45 segundos de puro terror para quem viu o quinto episódio da quarta temporada da série Black Mirror — Metalhead — como o Observador escreveu na altura).

Durante quatro anos, entre 2013 e 2017, a BostonDynamics — uma das empresas mais inovadoras na área da robótica — foi propriedade da Google. Mas os chineses do Softbank, que têm feito várias aquisições milionárias em vários segmentos das novas tecnologias, compraram a empresa no ano passado.

Já há vários anos, porém — até mesmo antes de ser comprada pela Google –, que a Boston Dynamics surpreende pela inovação tecnológica na área dos robôs. Uma das primeiras filmagens que se tornaram virais foi a do “Big Dog”, que foi concebido para o Exército norte-americano mas que acabou por não ter grande sucesso porque os militares queixaram-se de que o robô era demasiado barulhento e, portanto, iria estar constantemente a denunciar aos inimigos a posição das tropas norte-americanas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)