Na preparação de um desfile, o ritmo de Cristina não foi muito diferente do que já é nos restantes dias do ano. Correu para a secção de cabelos, correu para maquilhagem, foi chamada à sala principal para assistir ao ensaio, escolheu a própria roupa, ajudou a “montar” as manequins. Multitasking? Sim, isso e um séquito de assistentes, fotógrafo, videografo e assessores. Tudo para que não lhe escape nada, nem a ela, nem aos seus seguidores.

CF Cristina é a razão pela qual se estreia no Portugal Fashion. A marca de sapatos, criada em 2014, ganhou uma linha de noiva e foi apresentada na grande sala de desfiles da Alfândega do Porto. Com a 10ª coleção da apresentadora veio também um vislumbre do que serão as novidades para o próximo verão. Cristina apresentou um único fato de banho, teaser de uma linha de swimwear que lançará para o verão de 2019, e, no final do desfile, uma amostra do que será a sua coleção de roupa. Nada de cerimónias, Cristina apostou no loungewear. No que toca ao calçado, apresentou ainda uma Limited Edition, sapatos mais “excêntricos” e poduzidos em menor quantidade. A linha não vai esperar por 2019 para ver a luz do dia, estará à venda dentro de duas semanas.

“Considero a moda um meio importantíssimo para o mundo inteiro. Por vezes, desvalorizam-na um bocado e tentam resumi-la a algo fútil e desnecessário, quando é ela que nos apresenta diariamente, que nos transforma e nos dá personalidade, além de dar emprego a milhões de pessoas no mundo inteiro”, afirma Cristina Ferreira, à conversa com o Observador, minutos após o desfile.

Veja a fotogaleria dos bastidores do desfile:

46 fotos

Stilettos básicos, ténis adornados com pedraria, sandálias matadoras e botas de salto vertiginoso — em quatro momentos diferentes, Cristina chegou a diferentes estilos, embora, em primeiro lugar, seja fiel ao seu. “São sempre escolhas minhas, esse é o ponto de partida. Há coisas das quais não gosto e que às vezes a equipa diz que devíamos ter. Mas se não uso, não pode estar numa coleção minha. São as minhas escolhas, aquilo que uso sempre. A partir daí, as pessoas gostam ou não gostam, querem ou não querem. Mas já vamos na 10ª coleção e isso mostra que as pessoas continuam a gostar muito”, conta.

Além das manequins, o momento contou com dançarinos coreografados por Cifrão. Com três números diferentes — ballet clássico, salsa e flamenco –, as atuações abriram caminho para os quatro momentos em que se dividiu o desfile. Antes disso, o trabalho de bastidores, um mundo novo para uma das mulheres mais versáteis de Portugal. “Não tínhamos visto as modelos antes de aqui chegarmos, tivémos de perceber o que é que ficava bem a quem e aí sim, esta sala foi o caos”, relata, ainda nos bastidores do desfile. Fala numa responsabilidade acrescida. No final, as pernas tremeram. Mais do que ter vindo agradecer à sala, Cristina fechou o seu próprio desfile quando percorreu meia passerelle com uma botas pretas de cano alto. A caminhada foi importante, mas nada comparada à que Cristina tem feito desde que chegou à televisão, há 16 anos. “Todos os passos são dados de forma muito consistente e sempre a pensar no futuro. Por isso é que acham que estou ligada a muitas coisas. Não, as que tenho, tento desenvolvê-las e fazer com que cresçam”, explica.

Num ápice, dá o OK para a publicação de uma fotografia. Preto ou dourado? Além dos coordenados das modelos, é preciso decidir com que vestido é que a empresária entrará em cena. Vai o preto, a protagonista deste segundo dia de Portugal Fashion já brilha o suficiente. Sem tempo para conversas, apenas para objetivas desejosas de captar o ângulo certo, entrevistas só após o desfile. “Vai atrasar”, diz-lhe um membro da organização, enquanto supervisiona, atenta, o ensaio. “Não vai nada, não pode”, responde prontamente. Dito e feito. O desfile começou às 13h15 (estava marcado para a uma em ponto), o que numa semana da moda portuguesa nem sequer conta como atraso.

Veja a fotogaleria do desfile:

36 fotos

Esta não é a primeira vez que Cristina Ferreira pisa uma passerelle. Em outubro de 2016, surpreendeu tudo e todos ao apresentar o seu perfume — MEU — no calendário da ModaLisboa. Recentemente, Cristina Ferreira foi a notícia que marcou o panorama televisivo em Portugal. Em agosto, anunciou estar de saída da TVI para assumir um cargo de direção na TVI e para se tornar numa das caras da estação de Carnaxide. Com um salário bruto de perto de um milhão de euros por ano, entra para o clube dos mais bem pagos do país, ficando lado a lado com os gestores das maiores empresas da bolsa portuguesa.

Agora, trouxe pela primeira vez a sua própria marca para o calendário do Portugal Fashion. Segundo Cristina, orgulhosa pela produção feita no Norte, a escolha foi óbvia — “uma forma de homenagear todos aqueles que trabalham em moda nesta zona do país”. A coleção estará espalhada por uma rede de mais de 150 lojas multimarca, além da propria loja online. A intervenção de Cristina é total. “Na escolha dos materiais, dos desenhos… É claro que tenho uma equipa a trabalhar, até porque nunca fui boa a desenho. Mas dito muito as tendências, embora tenhamos acesso a tudo o que é feito internacionalmente. Depois, é dessa junção que chegamos ao trabalho final. Se até aqui havia dúvidas, agora é mesmo oficial. Depois da televisão e das bancas, Cristina Ferreira dita tendências também na passerelle.