Vários estados americanos criaram regras, umas mais permissivas do que outras, para acomodar os ensaios a veículos autónomos nas vias públicas, etapa fundamental para o seu desenvolvimento. E há vários tipos de viaturas em prova, tradicionalmente automóveis e SUV, mas há também quem teste a sofisticada tecnologia em autocarros escolares.

Na Florida, a Transdev North America concebeu e produziu o EZ10 Generation II, um pequeno autocarro eléctrico destinado a transportar alunos, com o veículo a estar de momento limitado a uma velocidade de 15 km/h e a recorrer sempre a um técnico a bordo, capaz de assumir o volante se algo correr mal. Mas nem todos estes cuidados impediram a  a autoridade norte-americana de segurança rodoviária (National Highway Traffic Safety Administration, NHTSA) de suspender a licença para realizar testes à Transdev.

Os motivos que levaram a NHTSA a anular uma autorização anterior ficou a dever-se a um anúncio da Transdev, que mostrava o EZ10 II a transportar as 12 crianças que pode alojar a bordo, em óbvia contradição com o ponto de vista do regulador. Percebe-se a dúvida por parte da Transdev, uma vez que os veículos autónomos da Google (Waymo) e da Uber são há muito utilizados para transportar pessoas, gratuitamente, daí que os fabricantes do EZ10 II achassem que poderiam adoptar o mesmo tipo de acção.

A responsável pela NHTSA, Heidi King, defende que “a inovação é bem-vinda, mas não com risco para a segurança pública”, chamando a atenção para o facto de outros fabricantes de veículos autónomos apenas terem obtido autorização para transportar passageiros durante a fase de testes após terem percorrido uma generosa quantidade de quilómetros em testes, sem a mínima anomalia grave, que as empresas são obrigadas a reportar de imediato.

O EZ10 II regressa aos testes sem crianças, com a Transdev a reportar que o veículo já é capaz de se movimentar de forma autónoma do ponto A ao B, especialmente num ambiente controlado e limitado, que seja possível mapear em alta resolução para facilitar a vida ao sistema de navegação. O EZ10 II pode, em condições normais, atingir 50 km/h, mas manterá o condutor a bordo enquanto estiver em testes. E sem crianças lá dentro, pelo menos até a NHTSA autorizar. Veja aqui o vídeo da polémica:

https://www.youtube.com/watch?v=TZROgHAr5y0