Rádio Observador

Exploração Espacial

As 9 companhias privadas que a NASA contratou para regressar à Lua

349

A agência espacial norte-americana celebrou contratos com 9 empresas privadas para regressar à Lua e fazer dela uma área de serviço no trajeto até Marte. A SpaceX de Elon Musk não é uma delas.

AFP/Getty Images

A NASA revelou que contratou nove companhias privadas sediadas nos Estados Unidos para levar para o espaço cargas científicas e tecnológicas que garantam o regresso da agência espacial norte-americana à Lua. Nenhuma delas é a SpaceX de Elon Musk nem a Virgin Galactic de Richard Branson. Este é o primeiro passo sólido que a NASA torna público no projeto de regressar e ficar na Lua. Mas para o concretizar precisa das empresas aeroespaciais privadas.

A Astrobotic Technology, Inc. é especialista em robótica espacial para missões planetárias. A Deep Space Systems é especialista em desenvolvimento, integração, teste, lançamento e operação de naves espaciais de exploração humana e robótica. A Draper cria tecnologia avançada para segurança nacional, exploração espacial, energia e cuidados de saúde. A Firefly Aerospace, Inc. desenvolve veículos de lançamentos comerciais de pequeno e médio porte. A Intuitive Machines, LLC cria soluções low cost para a exploração espacial. A Lockheed Martin Space trabalha com satélites, sondas e peças de vaivéns. A Masten Space Systems, Inc. constrói sistemas de descolagem e aterragem verticais. A Moon Express tem um projeto para explorar os minerais lunares. E a Orbit Beyond é a primeira companhia privada norte-americana a ter permissão para viajar para lá da órbita terrestre em direção ao espaço profundo.

Num comunicado feito esta quinta-feira pelo administrador Jim Bridenstine, a agência pública aeroespacial confirmou que tinha celebrado contratos à luz do programa CLPS, a partir do qual a agência estabelece negócios com outras empresas para serviços de transporte de módulos lunares e rovers para a Lua. “O anúncio de hoje marca um progresso tangível no regresso dos Estados Unidos à superfície da Lua para ficar. A inovação das empresas aeroespaciais dos Estados Unidos, unida aos nossos grandes objetivos em ciência e exploração humana, vai ajudar-nos a alcançar coisas incríveis na Lua e avançar a caminho de Marte”, disse Bridenstine.

Esses contratos podem ser postos em prática já a partir do início do próximo ano. Depois, estes contratos permanecem em vigor por um prazo e quantidade de materiais indeterminados, sem que ultrapassem os 2,6 mil milhões de dólares cada um. De acordo com um comunicado de imprensa publicado pela NASA, “estas missões iniciais vão permitir importantes demonstrações de tecnologia que vão fundamentar futuros sistemas de exploração necessários para que os humanos retornem à superfície lunar e ajudem a preparar a agência para enviar astronautas para Marte”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)